Três Itens no Meu Baú de Tesouros

Por Maria Fontaine

Outubro 10, 2010

O outro dia alguém me disse, “O que as pessoas mais precisam quando estão passando por dificuldades e conflitos é fé, para poderem entender que tudo vai dar certo no final.” Concordo plenamente. Mas se nossa maior necessidade é fé, como definir um elemento tão abstrato? O que é a fé e como a adquirimos? A fé não é tangível; não se distingue pela visão, audição, tato, paladar ou olfato. No entanto, nós a sentimos no espírito. A fé se traduz em acreditar que, não importam as circunstâncias, o Senhor trará algo de bom de uma situação.

Mesmo que não entendamos exatamente o que é a fé, se é isso o que precisamos para termos uma vida melhor e mais feliz, como podemos obtê-la? Sabemos que as palavras do Senhor (que temos recebido muito todos estes anos), fortalecem a nossa fé, mas às vezes ainda sentimos que nos falta fé. Ou não vemos como ela está agindo em nosso favor. Como então aplicar de maneira prática tudo o que o Senhor nos deu para enfrentarmos nossas provações pessoais?

Fiquei pensando: O que é que me mantém firme nos momentos críticos? O que é que me mantém no rumo e não me deixa desistir e pensar, “não quero mais progredir espiritualmente”; “não quero ter que me doar tanto” “não quero me preocupar mais com as pessoas”; não quero mais sofrer”; ou, “não tenho condições de assumir essa responsabilidade”? O que é que não me deixa duvidar das promessas de Deus quando todos os meus erros e falhas me assombram e parece que meus sentimentos vão me dominar? No meio de tantas mudanças, quando nem sei se vou conseguir lidar com todas, o que me faz continuar acreditando que as coisas difíceis vão passar? Se a resposta é fé, como funciona? O que devo fazer para ter fé? E o que a fé vai fazer por mim? O que faço e acho que me ajuda a superar dificuldades e problemas? O que faço que fortalece a minha fé?

Refleti nessas questões e fiz uma lista. Neste artigo vou falar sobre os primeiros três pontos da lista e abordarei os outros em artigos posteriores. Não considero uma lista de afazeres. Não são coisas que me sinto pressionada a fazer e ir marcando conforme as realizar. São coisas e princípios que incorporei na minha vida no decorrer dos anos. Algumas são hábitos, outras exigem esforço consciente. Mas quando faço uso delas, cada uma me ajuda de alguma forma. É como se fosse uma mala, um baú cheio de tesouros ao qual posso recorrer quando preciso.

Estes são os primeiros:

Número um: Lembrar das promessas de Deus. Se fé significa acreditar em Deus, estou acreditando nEle em relação a quê? No geral estou acreditando que, no final, tudo vai dar certo. Mas no que, especificamente, estou acreditando? Geralmente é em algo que Ele disse, alguma de Suas promessas, a que se encaixar na minha situação na ocasião, ou a que se sobressair e calar fundo. Ele deu muitas promessas na Bíblia e nas Suas palavras vivas para hoje. Vejamos alguns exemplos na Bíblia. São promessas que memorizei a muitos anos trás e que permanecem inabaláveis.

Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas.[1]

Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis.[2]

Lança o teu cuidado sobre o Senhor, e Ele te susterá; nunca permitirá que o justo seja abalado.[3]

A minha fé nas promessas de Deus tem me fortalecido até agora e me ajudado a superar muitas dificuldades. Não me faltam razões para continuar confiando no Senhor, principalmente nos momentos difíceis, porque Ele jamais me falhou até hoje. Sempre me ajudou a passar pelas provações. Mais cedo ou mais tarde, respondeu todas as minhas questões ou me deu tranquilidade, ou me curou fisicamente ou dirigiu os meus passos.

Sei que Ele não vai voltar atrás na Sua palavra, pois é o que prometeu. Não importam as circunstâncias, eu opto por confiar em Jesus, acreditar, e continuar acreditando que Ele tem o poder para mudar as coisas.

Nem uma só palavra caiu de todas as suas boas palavras.[4]

Porventura, diria Ele e não o faria? Ou falaria e não o confirmaria?[5]

Número dois: Aprendi pela experiência, e vendo também a experiência de outros, que as situações difíceis me ajudam a 1) entender as pessoas e suas situações; 2) ser mais compreensível, e 3) adquirir recursos valiosos que poderei usar para ajudar outros. Esses são os resultados positivos pelos quais devo me alegrar. Ao me ouvir dizendo isto, talvez pense, “Ora, por que tenho que me sacrificar pelos outros?” Acho que cada um de nós precisa tomar essa decisão, ver se estamos dispostos a fazer isso. Quando olho ao redor e vejo a pequena quantidade de pessoas de que Deus dispõe para transmitir o Seu amor, percebo que provavelmente sente que precisa desesperadamente de todos nós. Mas é uma decisão pessoal.

A riqueza de conhecimento espiritual adquirida através das dificuldades e que agora posso passar para outros é um tesouro. Pode mudar o coração e o espírito da pessoa e lhe dar sentido, satisfação e esperança, sem mencionar a satisfação que eu sinto. Cada pessoa tem a necessidade inata de fazer algo útil pelo próximo, algo que dê sentido à sua vida. E fico feliz por poder servir as pessoas dessa forma.

E o número três é outro elemento que me mantém estável e perseverante, “fundado e firme na fé”, como Paulo disse em Colossenses 1:23. Eu sei por experiência que os períodos turbulentos passam. Então me esforço por ter coragem e seguir adiante tentando facilitar as coisas para os outros, mesmo quando eu própria não me sinto lá grande coisa.

Segundo consta, Tomás de à Kempis disse, “A única maneira de escapar da tribulação e da dor é suportando-as com paciência.” [6]

Alguém disse com uma pitada de humor, “talvez você passe por tribulações na vida e não queira mais aguentar, mas já pensou na outra alternativa?”.

A Bíblia certamente nos admoesta a esperar e ter paciência. Ela promete que, se suportarmos, seremos devidamente recompensados. “Mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão; caminharão e não se fatigarão.”[7] E “…necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar a promessa.”[8]

A Bíblia também diz, “Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.”[9] Além dessa linda promessa para o futuro, menciona também, “as aflições deste tempo presente”. É uma promessa animadora e um lembrete de que as aflições não duram para sempre.

Eu não ia querer desistir, mesmo que não recebesse uma recompensa por suportar as dificuldades. Adoro ter tesouros para compartilhar com os outros. Não imagino nada mais gratificante ou que me satisfaça mais. É claro que esses tesouros têm um preço. Às vezes parece insuportável, mas sei que as batalhas são temporárias. Se perseverar vou receber a recompensa por ter ajudado a efetuar mudanças duradouras e maravilhosas na vida de outros.


[1] Salmo 34:19.

[2] 1 Coríntios 10:13.

[3] Salmo 55:22.

[4] 1 Reis 8:56b.

[5] Números 23:19.

[6] Monge alemão e escritor (1379?–1471) no seu texto A Imitação de Cristo.

[7] Isaías 40:31.

[8] Hebreus 10:36.

[9] Romanos 8:18.

 

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies