Um Estranho à minha Porta—2a. Parte

Por Maria Fontaine

Julho 5, 2014

Terceira Visita

A terceira visita de Joe foi numa tarde. Logo no começo da conversa ficou óbvio que ele andava pensando bastante sobre os assuntos do nosso último papo. E, parecendo mais decidido e confiante para expressar diferentes sentimentos, ele foi direto ao ponto.

Perguntou: “Se Deus Se importa tanto conosco, por que permite toda essa maldade, até mesmo com pessoas que tentam agir corretamente? Se Ele é tão poderoso, por que não endireita tudo, por que não faz tudo certinho e justo? Se Deus Se importa tanto, por que Ele permite que aconteçam coisas terríveis? Por que existe tanta pobreza, violência, ganância, morte e sofrimento neste mundo?”

Foi uma conversa bem demorada, mas incluo aqui algumas questões tratadas na ocasião:

“Nem tudo na vida vai transcorrer perfeitamente, porque Deus deu o livre arbítrio ao ser humano. As pessoas vão tomar decisões erradas com consequências que poderão servir de lições. Mas a vida não é apenas para se aprender o que é errado, mas também aprender os resultados de agir com amor, altruísmo, compaixão, perdão, e de ser atenciosa e prestativo. Muitas coisas não nos parecem justas, e não são mesmo, mas Deus nos ama, e Ele está no controle. No final, Deus vai colocar tudo no seu devido lugar.”

Durante a nossa primeira conversa, Joe disse algo um pouco misterioso, mas sem dar muitas explicações. Quando perguntei o seu ponto de vista sobre religião, ele disse: “Na verdade, não tenho muito a dizer sobre isso. Eu sou travado nessa questão, por causa de certas coisas que vivenciei na infância.”

Ficou claro que ele tinha uma luta interior e queria dizer algo, mas aparentava certo medo.

Então começou: “No lugar onde nasci, se você é pobre, tem que começar a trabalhar desde pequeno. Eu tinha doze anos e já trabalhava recolhendo lixo. Tinha um outro rapaz da minha idade, com uma pequena deficiência mental e epilepsia. Ele e sua família precisavam comer e tinham outras necessidades, então ele ficava nas ruas pedindo esmolas, mas tinha uma atitude muito agressiva. Ele era inconveniente, mas sem maldade, e às vezes não sabia distinguir entre um comportamento certo ou errado. Eu realmente não acredito que ele fazia as coisas de propósito para magoar ninguém. Ele parecia muito inocente e honesto, mas de uma maneira estranha. Pra mim ele era praticamente um anjo.

“Decidi ser amigo desse rapaz, pois ele precisava de alguém que cuidasse dele. Um dia, quando estávamos em pé no caminhão de lixo, ele teve uma convulsão e caiu debaixo das rodas do caminhão. Ele morreu na hora. Eu nunca comentei isto com ninguém, pois me sentia culpado e achava que podia ter feito algo para impedir essa tragédia. Passei cinco anos atormentado por essa situação, além de tudo o mais pelo que já tinha passado. Chegou um ponto em que eu me fechei emocionalmente e nunca superei esse trauma.”

Acredito que Joe estava abrindo essa parte tão dolorosa e profunda do seu passado na remota esperança de que eu pudesse ajudá-lo depois de tantos anos. Fiquei um instante em silêncio, em respeito à dor que ele expressava, orando fervorosamente para o Senhor me dar as palavras que o ajudariam a entender o que tinha acontecido e a consolar o seu coração partido.

Eu disse: “Joe, você passou por uma situação muito difícil. Não é de admirar que ainda esteja angustiado e sofra essa pressão mental e emocional. Eu sinto muito e sei que não é fácil resolver isso tão rápido, mas vou lhe dizer algo que talvez possa ajudar a aliviar esse fardo que você carrega.

“Eu acho que às vezes, Deus coloca no nosso caminho certas pessoas que causam um grande impacto em nossas vidas. Elas são como anjos vindos do Céu—literalmente ou figurativamente—enviadas para nos ajudar. Às vezes, são diferentes dos outros, até desajustadas socialmente, pobres, ou com alguma deficiência que exige de nós um esforço extra para ajudá-las ou defendê-las de alguma forma. Você agiu com amor, carinho, e amizade. Foi a atitude certa, porque agiu com amor.

“É muito difícil entender por que alguém vem ao mundo com esse tipo de dificuldade ou enfermidade. Provavelmente só entenderemos no Céu. Mas eu sei que o Senhor permite tudo por algum motivo. O seu amigo sofreu bastante, mas acredito que tudo isso foi mais do que recompensado por Jesus na outra vida. Eu acho que o Senhor, na Sua misericórdia e amor, levou o seu amigo para casa para poupá-lo de maiores dores e sofrimento.

“Por mais horrível que tenha sido a situação, acho que o seu amigo não sofreu ao morrer. É difícil imaginar, mas você não deve mais se lamentar pela morte desse rapaz. Conhecendo a imensa compaixão do Senhor, tenho certeza que, por ocasião do acidente, Jesus tomou aquele filhinho nos braços e o levou para o lar celestial. Você pode ficar feliz pelo seu amigo, porque agora ele está em um lugar onde jamais será magoado.”

Joe ficou muito emocionado com essa visão e finalmente abriu um largo sorriso. Foi como se um peso tivesse sido tirado do seu coração.

Eu disse: “Joe, sei que você tem feridas profundas que estão aí há anos por causa de tudo o que sofreu. Mas tudo isso o tornou uma pessoa mais terna que deseja ajudar os outros. Você sabia que todo o amor que demonstrou pelo seu amigo e que demonstra pelas pessoas, na verdade é algo que está fazendo para Jesus? Você tem demonstrado o amor de Jesus. Você tem servido a Deus de maneiras gloriosas”. Então lemos juntos Mateus 25:35–40:

‘Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me. Então os justos lhe perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? Quando te vimos forasteiro, e te acolhemos? ou nu, e te vestimos? Quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-te? E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes.’[1]

Joe disse: “Eu sei que, por mais difícil que tenha sido a minha vida, tudo isso fez de mim o tipo de pessoa que sou hoje. Eu entendo as pessoas, tenho compaixão delas, porque sei o que é ser ferido e sofrer.”

Fiquei muito animada ao ver Joe aceitar a maneira como Deus tinha usado as situações difíceis para transformá-las em coisas positivas. Eu lhe mostrei Romanos 8:28 e falamos um pouco sobre esse princípio tão importante. Colocar nesse contexto tudo o que enfrentamos na vida tira o sentimento de culpa, a ira, frustração, falta de esperança, e de querer que tudo seja “justo”. Passamos a confiar no Senhor e a ter certeza que no final tudo vai contribuir para o nosso bem e para o bem de outros. Joe estava vivenciando a mudança de perspectiva que Deus dá aos Seus seguidores que aprendem a confiar nEle para tudo.

Agora Joe pode olhar para a sua vida passada de uma maneira diferente. Por piores que tenham sido as coisas, a adversidade contribuiu para moldar o seu caráter. Todos os grandes homens e mulheres passaram por adversidades, portanto ele estava em ótima companhia.

Parecia que Joe precisava de dinheiro, então eu lhe disse: “Joe, as nossas conversas estão sendo boas não só para você. Eu estou gostando muito de passar este tempo juntos, e também tenho aprendido bastante. Pouco a pouco estou conhecendo você, e tem sido uma experiência bem gratificante.” (E então lhe entreguei um envelope.) Ele abriu, curioso. Ao perceber que era dinheiro, protestou: “Não posso aceitar. Eu quis vir para conversar, porque você foi muito atenciosa e eu queria ouvir o que você tinha a dizer. Depois isso se tornou muito importante e edificante, por isso eu não quero aceitar dinheiro. Agradeço, mas não posso.”

Eu então respondi: “Joe, veja da seguinte forma. Tudo o que temos vem do Senhor, e Ele quer que compartilhemos com outros. Por isso eu quero dividir com você. Considere isso um presente de Deus que você pode dividir com outros! Passe adiante o que estou lhe dando. Cada um de nós deve fazer o que puder para suprir a necessidade de alguém, e essa pessoa pode ajudar outra, e assim por diante.”

Ele ficou inspirado com essa ideia. Despedimo-nos e ele, sorrindo, se comprometeu a um novo encontro.

Quarta visita

Na quarta visita, a conversa foi sobre oração. Joe disse algo que confirmou a mão do Senhor na nossa interação.

Estávamos falando da maneira como Deus muitas vezes esquematiza situações em resposta às nossas orações.

“Eu acho que foi o que Deus fez quando nos colocou em contato”, afirmou Joe todo entusiasmado. “Você foi autêntica e eu logo me senti à vontade, aceito. Vi que você e o seu marido são pessoas boas, então quis conhecê-los melhor. Antes disso, eu estava no fundo do poço, desencorajado e sem esperança. Comecei a caminhar em contato com a natureza todos os dias, e extravasava o que sentia. Não eram orações formais ou decoradas, eu conversava com Deus. Estava muito desesperado e emotivo. Apresentei a Deus todas as minhas dúvidas e perguntas, e queria saber qual era a minha missão. Por incrível que pareça, depois disso conheci vocês. Para mim foi uma resposta às minhas orações.”

A partir daí começamos a falar das diferentes maneiras que Deus pode falar conosco: por meio da Palavra na Bíblia; por meio de outra pessoa; da natureza; das circunstâncias; dos nossos pensamentos, etc. Nesse ponto expliquei para ele sobre profecia — a diferença entre vaticinar e quando Deus fala diretamente nos dando conselhos e encorajamentos acerca da nossa situação. Para ele foi um conceito completamente novo. Expliquei que muitas pessoas têm essas “conversas com Deus” e que ele podia ter essa mesma relação.

Joe obviamente tinha uma conexão com o Senhor e era sensível ao Seu Espírito. Sugeri que pedisse a Deus para falar com ele e lhe dar orientações específicas. Depois, registrar o que Ele lhe mostrasse, expandindo assim a sua capacidade de comunicação com o plano spiritual. “Pedi e recebereis.”[2]

No final desta visita, entreguei a Joe uma mensagem que recebi de Jesus para ele. A minha intenção era não apenas incentivar Joe, mas também lhe dar um exemplo de como Deus pode nos orientar e dar insight sobre situações. Essa profecia foi benéfica para mim também, pois confirmou o que Deus pensava de Joe e me deu uma visão muito maior de como ele é verdadeiramente no seu íntimo.

Querido e atencioso filho,

A vida tem lhe apresentado grandes desafios, mas Eu sempre velei por você. Sei do seu amor por Mim, o seu Deus, a quem recorre nos momentos de luta e perdas, pois sabe que o atenderei e farei tudo contribuir para o seu bem no final. Até mesmo quando o sofrimento, a pobreza, perda e dor encobrem as coisas boas e as bênçãos que resultarão de tudo isso, a sua confiança e fé em Mim têm moldado o seu doce coração à semelhança do Meu. Você tem se tornado compassivo, misericordioso e prestativo, sempre solidário às perdas e aos sofrimentos alheios.  

Você sempre dividiu o que tinha, mesmo tendo pouco. Não se deixou abater pela sua condição material nem endureceu o coração. Tudo isso é viver como Eu vivi, com generosidade, sem se esquivar ao ver a necessidade ao seu redor. Eu admiro a sua atitude e seus atos. Alegro-Me cada vez que abre um espaço no seu coração para transmitir o Meu amor aos que precisam desesperadamente sentir a Minha presença.

Você passou por situações aparentemente injustas. Se pensar apenas no contexto da vida física, foram realmente injustas. Mas você conseguiu encontrar lindos tesouros do coração e do espírito. E se pensar em termos de Céu e eternidade, tudo de maravilhoso que lhe reservei na outra vida mais do que compensará pelo que você passou.

Está na hora de dar o próximo passo. Você se retrai porque é humilde e se sente indigno. Mas está na hora de estender a mão com fé e aproximar-se ainda mais de Mim, confiando que faço parte da sua vida e quero estar presente como um amigo mais próximo do que um irmão.

Acredite que não só quero ajudá-lo quando as situações são desesperadoras, mas também estar presente constantemente, falando ao seu coração, convivendo com você, compartilhando seus sentimentos e alegrias. Eu quero guiá-lo em cada passo, não de maneira formal, remota ou impessoal, mas de maneira íntima e pessoal.

Você buscou a Minha ajuda. Confiou em Mim em muitas situações. Agora confie que estarei sempre ao seu lado, falando claramente ao seu coração e pensamentos. Eu o guiarei nas suas decisões e o ajudarei a descobrir o positive em cada experiência.

Você precisa do Meu poder e Espírito para viver com a força e a fé que podem transformar vidas, assim como Eu precisei da orientação, do poder e Espírito do Meu Pai para viver na terra. Essa conexão íntima Comigo não se adquire por bom comportamento. É um dom que lhe dou porque recorreu a Mim.

Mostre às pessoas com quem tem contato que Eu as amo e Me importo com cada uma. Testemunharem o seu amor e gentileza será o trampolim para conhecerem o Meu amor e gentileza.

Nesta visita falamos também sobre os anjos e espíritos que nos ajudam. Joe participou bastante comunicando seus pensamentos sobre o assunto. A sua avó, que amava muito a Deus, morreu logo depois que ele nasceu. Joe sempre teve a impressão que ela o ajudava com sabedoria, pois sentia que entendia as pessoas e suas situações muito melhor do que outros. (Ele disse isto com muita humildade, e acredito que para ver a minha reação. Fiquei alegre e lhe disse que também acreditava que a sua avó lá no plano espiritual realmente se comunicava com ele.)

Senti que devia compartilhar com Joe o que Deus mostrou sobre as nossas conversas e o tempo que passávamos juntos.

Expliquei: “Joe, quando Jesus trouxe você à minha porta e disse que eu devia conhecê-lo melhor, eu não imaginava por que você, especificamente. Mas Ele me disse que era importante isso acontecer. Agora, depois de algumas visitas, estou super animada com o seu potencial! Acredito que você pode verdadeiramente fazer grandes coisas para ajudar as pessoas. Pode se conectar com elas porque não as julga. Você é uma pessoa terna e sensível, disposta a se sacrificar para ajudar alguém. Já passou por muita coisa, ‘sofreu mais do que a maioria’, como você mesmo disse, mas não se tornou uma pessoa amarga. É jovem e tem o resto da vida pela frente para poder cumprir a sua missão. Você é uma pessoa de convicção que pauta sua vida nos valores em que acredita.”

Joe estava praticamente de partida, pois as coisas estavam se resolvendo, então preparei alguns textos que o Senhor mostrou poderiam ajudá-lo a continuar edificando sua conexão e relação com Ele. Preparei um kit com o livro Estudos Básicos da Bíblia, A Cabana, e outros devocionais que achei seriam interessantes e úteis. Entre eles uma série de citações da Madre Teresa.[3] Ele ficou todo animado quando viu e disse: “Ouvi falar da Madre Teresa pela primeira vez quando eu tinha oito ou nove anos de idade. Ouvi falar da sua obra e do amor que tinha pelos leprosos, os pobres, sem-teto e moribundos. Impactou muito a minha vida e decidi que seria como ela, iria amar as pessoas, ser gentil e fazer tudo ao meu alcance para ajudá-las.”

Achei que este poderia ser o último encontro com este jovem discípulo que seguiria adiante em busca do caminho que o Senhor claramente tinha para ele. Mas, como já aprendi pela experiência, às vezes pensamos que algo terminou, no entanto, o homem propõe, mas Deus dispõe. Viemos a descobrir que Jesus ainda queria que eu compartilhasse com Joe outras verdades da Palavra, já que Deus ainda não tinha terminado esta fase do curso do seu curso de discipulado.

Quinta visita

Alguns dias depois Joe ligou para perguntar se podia dar uma passada na minha casa. Ele subiu os degraus até à casa desanimado. Estava todo feliz com o que tinha aprendido e com a expectativa de voltar para sua esposa, trabalho e planos de ajudar os outros, mas devido a um atraso nos assuntos que ele precisava resolver não poderia partir. Como diz a Bíblia, a esperança que se retarda deixa o coração doente.[4]

Ele lamentava o fato de não entender o que estava acontecendo. “Eu tentei ter paciência e aprender o que Deus tinha reservado para mim aqui. Não entendo a razão de mais este atraso! Você acha que é por que fiz algo errado?”

Eu já havia preparado alguns temas para discutirmos. No entanto, ao ver a batalha e o desapontamento de Joe, senti que o Senhor queria que eu mudasse a abordagem. O interessante é que alguns dias antes eu tinha lembrado de um poema que memorizei na adolescência e copiei na aba da minha Bíblia. Tenho certeza o Senhor permitiu para me preparar para esta situação.

Desapontamento não é o fim do mundo,
Pode bem ser algo bem mais profundo.
A inesperada mudança de planos
Foi porque Deus tem algo melhor para mim.

Seus planos resultam em bênçãos,
Mesmo que eu não consiga entender,
Pois do começo ao fim tenho certeza,
A sabedoria de Deus vai prevalecer.

Depois de compartilhar este poema com Joe, começamos a falar sobre o que estava acontecendo. que talvez Jesus quisesse que ele confiasse mais na boa intenção de Deus em relação à sua vida, quer ele percebesse isso ou não. “Talvez Deus queira que você veja tudo de bom que vai resultar dessa demora para resolver essas questões.

“Quando fico desapontada com algo, quando meus planos desmoronam, algo que me ajuda muito”, eu estava dizendo, e então parei um pouco para ele refletir nessa questão, “é agradecer a Deus, porque o louvor é poderoso! Louvar a Deus é uma demonstração de fé, de que Ele sabe o que é melhor e pode realmente trazer bons resultados da situação. Portanto, sendo os resultados imediatos ou não, ocorrendo ou não mudanças milagrosas, ficar em paz, ter forças e paciência para confiar e esperar pela hora de Deus já é uma grande vitória.”

Orei com ele para Deus literalmente encurtar o prazo para ele poder voltar para casa, ou então lhe dar paz e fé para esperar louvando. Ele ficou mais animado e confiante quanto ao resultado que Deus traria.

Dei a ele uma oração que podia fazer ao chegar em casa: “Querido Jesus, sei que me ama e quer me ver feliz. A Bíblia diz que Você é o ‘Príncipe da Paz’. Preciso da Sua paz no meu coração e pensamentos. Por favor, ajude-me a ficar calmo e sossegado independentemente das circunstâncias. Venha a mim e dê-me paz. Ajude-me a ficar tranquilo e não me preocupar. Peço também que, a partir de agora, o Seu Espírito Santo viva no meu coração e me ajude a ter mais amor e confiança em Você.”

Tivemos oportunidade de discutir, ainda que superficialmente, muitos princípios espirituais importantes. As nossas conversas giraram ao redor de salvação e Espírito Santo, testemunhar, oração e leitura a Palavra, Céu e o amor infinito de Deus. Falamos da lei de Deus em relação às tradições do homem, a guerra espiritual e muitos outros assuntos que surgiram naturalmente no decorrer das conversas.

Eu sabia que Joe era uma pessoa que refletia muito nas coisas, que demorava para ele absorver, digerir e meditar nas questões mais profundas da vida. Ele me disse que antes de dormir, sempre tomava um tempinho para refletir no dia e fazer planos para o dia seguinte. Ele disse: “Se não fizer isso eu não sobrevivo”.  

Estou muito agradecida ao Senhor por tudo que Ele fez por Joe, por ter permitido uma situação em sua vida que lhe deu a bênção de refletir na sua vida e buscar respostas. E também me abençoar com a oportunidade de ajudar Joe, trazendo-o até mim já que eu não podia sair para procurá-lo e encontrá-lo. Estou grata também pela orientação específica que Jesus me deu por meio de profecia.

O Senhor, na Sua compaixão, viu a necessidade espiritual de Joe, seu questionamento sincero, suas profundas mágoas, e seu empenho em cuidar, amar e ser prestativo. Ele planejou tudo nos mínimos detalhes, por amor a Joe e também por mim. Ele sabe que adoro ser Sua representante. É um grande privilégio o Senhor colocar no nosso caminho alguém tão faminto e com tanto potencial como Joe.

Uma coisa que conhecer Joe reforçou na minha vida, é o fato de que, se orarmos pedindo a Deus para sermos uma bênção, o Senhor atenderá, não importa a nossa situação. Se estivermos orando para abençoarmos a vida de alguém, o Senhor colocará no nosso caminho a pessoa que busca respostas e deseja conhecer melhor a Deus. Se desejar ardentemente fazer parceria com Jesus para ver uma vida transformada, e estiver disposto a fazer o que for preciso, basta dizer e procurar, pois não faltará oportunidade!

Pode ter certeza que existem muitos “Joes” por aí. Existe um “Joe” ao seu alcance — ou então um Mohamed, uma Fática, um Suraj, uma Sophia, Hiroto, Emma, Jing, Amit, Tariq, Luca, Ivan, ou um João—à porta da sua vida, buscando desesperadamente as respostas que o Senhor quer lhe dar por seu intermédio.


[1] RC.

[2] Mateus 7:7 RC.

[3] 150 Quotes from Blessed Mother Teresa of Calcutta (só em inglês)

[4] Provérbios 13:12.

Tradução Hebe Rondon Flandoli.

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies