Um Grito no Escuro

Por Maria Fontaine

Outubro 15, 2016

[A Cry in the Dark]

É fácil categorizar as pessoas — pela raça, personalidade, crença, e muitos outros aspectos. Eu acho que todos nós fazemos isso em diferentes ocasiões. Porém, se quisermos nos aprofundar e fazer um esforço para entender o que ocorre além da aparência, encontraremos um leque fascinante e infinito de personalidades, experiências, preferências, forças e fraquezas que se interligam para formar uma pessoa singular.

Um dos maiores privilégios que temos é poder descobrir o que denominaríamos o clamor do coração de cada pessoa. É um aspecto vital da testificação. Significa procurar entender a outra pessoa, suas alegrias e tristezas, suas realizações e desapontamentos, seus desejos ocultos, e a sua busca pelo que é verdadeiro e real. Testemunhar dessa forma é acompanhar a pessoa e ajudá-la a desembaraçar as complexidades no seu coração para poder encontrar uma maneira de conectá-la Àquele que a entende plenamente e pode satisfazer os anelos que nem ela própria consegue expressar.

É por isso que adoro compartilhar exemplos das diferentes abordagens que as pessoas usam para testemunhar e conseguirem se conectar de forma profunda com outros. Esses testemunhos mostram a necessidade de procurar aberturas, mesmo em situações que consideramos negativas na vida de alguém, pois ali poderemos encontrar a chave para o seu coração, aquilo que ajudará a aproximar o outro de Jesus.

Um membro da Família de 60 e poucos anos, me contou um processo de testificação regular por email e às vezes por Skype que tem mantido com um jovem de 28 anos, do qual ela se tornou confidente.

Vou deixá-la explicar o resto.

Há uns oito meses, esse rapaz me enviou um link sugerindo que eu assistisse a um documentário de 180 minutos sobre heavy metal. Isso me ajudou a entender melhor esse tipo de música e as emoções ligadas a ela. Ele também me enviou links de algumas canções das quais gosta. No princípio foi um pouco difícil ouvir, mas com o tempo comecei a entender melhor como ele se sentia. Aprendi que, no meio dos apreciadores de heavy metal, existem pessoas para as quais esse tipo de música expressa suas frustrações em relação ao mundo e sua incapacidade de mudar as situações.

Não é preciso gostar de um estilo musical para entender a sua mensagem. Em vez de falar contra heavy metal ou ignorar e pedir para a pessoa ouvir outro tipo de música que tinha mais sentido para ela, ela começou a indagar sobre esse tipo de expressão musical.

Eu acho que isso revela um fator importante na testificação pessoal. Ao ouvir o tipo de música que obviamente fazia sentido para o rapaz, e pedir ao Senhor para lhe revelar algo a respeito da música, ela começou a entender o que ele queria lhe mostrar: seus sentimentos verdadeiros, o clamor do seu coração.

Ela explicou:

Busquei o Senhor em oração sobre qual deveria ser o próximo passo. Ele me mostrou algo interessante para dizer ao meu amigo. Quando conversei com ele sobre o tipo de música que gostava, lhe disse que entendo que aquelas letras verbalizam o que ele sente no seu íntimo, e sei que Deus o ouve.

Ele ficou surpreso, pois nunca tinha pensado naquelas canções como expressões do seu íntimo. E concordou que realmente expressam o que ele sente, e disse que gostaria que Deus o ouvisse.

Eu lhe expliquei que Jesus não está atrelado a um monte de regras relacionadas a medo e castigo. Jesus está vivo, nos ama muito e esquadrinha o recôndito do nosso coração, até nossas frustrações e as coisas mais profundas e tenebrosas. E que, se pedirmos, Ele vai nos ajudar.

A última vez que conversei com este jovem falamos sobre a sua vida. Ele ficou surpreso ao perceber como as coisas estavam se encaixando. Eu lhe disse então que, quando Deus participa da nossa vida, Ele faz tudo contribuir para o bem. E que Deus ouviu os clamores do seu coração e estava atendendo. Expliquei que Jesus está conosco até mesmo nas piores situações, e nos ajuda. Ele entendeu direitinho.

No momento certo vou lhe enviar um exemplar do Evangelho segundo São João, e depois outros. Por agora estou orando que ele converse com Jesus na certeza de que Ele está ao seu lado.

A maioria das pessoas quer ser compreendida. Desejam conhecer alguém que “saque” o que sentem. Não importa que expressem desarticuladamente os seus sentimentos. Estão tentando mostrar o que consideram errado, o que desejam ou precisam de ajuda para mudar. A essência da oração é justamente a busca por respostas, pela verdade que pode preencher seus corações. E acredito que o Senhor ouve esses clamores sinceros.

Durante todos estes anos nós fomos muito abençoados com o amor do Senhor, e o sentimento de paz que Ele pode dar. Ele também coloca muitos de nós em situações nas quais temos que enfrentar um mundo onde a confiança e a fé são preteridas em favor da ganância, da violência e do ódio. Mas tudo isso nos oferece uma compreensão melhor do que as pessoas vivenciam. Jesus expressou da seguinte maneira em uma profecia:

Muitos buscam soluções para o que consideram errado consigo ou com o mundo. Lutam para encontrar respostas em si mesmos, em outros ou em circunstâncias. No final ficam frustrados, amargurados e zangados porque nada realmente satisfaz ou lhes oferece as respostas que desejam. Por isso precisam de vocês. A empatia de um dos meus filhos, o seu cuidado, a compreensão que demonstram e quando mostram que a outra pessoa é importante, confirmam que Eu estou ali, pronto para ajudá-la.

Esse é o melhor presente que podem dar a alguém. O seu trabalho não é forçar a pessoa a conhecer a luz apontando sua busca imperfeita por esperança ou alívio dos pesos que carrega. O seu trabalho é manifestar a Minha luz para aproximar a pessoa de Mim. Se ela perceber que você é um ombro amigo, que você entende, inevitavelmente perceberá que Eu entendo e a amo. E que, não importa onde ela esteja, Eu estou sempre ao seu lado.

Para onde poderia eu escapar do teu Espírito?
Para onde poderia fugir da tua presença?
Se eu subir aos céus, lá estás; se eu fizer a minha cama na sepultura, também lá estás.
Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar,
mesmo ali a tua mão direita me guiará e me susterá.
Mesmo que eu dissesse que as trevas me encobrirão, e que a luz se tornará noite ao meu redor,
verei que nem as trevas são escuras para ti. A noite brilhará como o dia, pois para ti as trevas são luz.

Salmo 139:7–12 NVI

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies