Mais como Jesus: Humildade (2ª Parte)

Por Peter Amsterdam

Maio 9, 2017

[More Like Jesus: Humility (Part 2)]

Como vimos na primeira parte deste estudo, o exemplo de humildade de Jesus é algo que devemos seguir. Referindo-se à humildade de Cristo, Paulo escreveu que os cristãos devem ter entre si o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus.[1] Outras passagens do Novo Testamento também admoestam a fazer o mesmo: Cingi-vos todos de humildade uns para com os outros;[2] Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará.[3] Aprendemos na Bíblia que quem a si mesmo se exaltar será humilhado, e quem a si mesmo se humilhar será exaltado;[4] e Paulo nos diz: como eleitos de Deus, santos, e amados, revesti-vos de compaixão, de benignidade, de humildade, de mansidão, de longanimidade.[5] Esses versículos mostram a importância da humildade na vida cristã.

O processo de “revestir-se” da virtude da humildade inclui afastar-se de sua antítese: o orgulho. É preciso esclarecer, logo de início, que nem todo orgulho é ruim. O apóstolo Paulo escreveu sobre o orgulho saudável que devemos ter de nós mesmos e dos outros:

Grande é a ousadia da minha fala para convosco, e grande a minha jactância a respeito de vós; estou cheio de consolação, transbordo de gozo em todas as nossas tribulações.[6]

Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no Senhor. Pois não é aprovado quem a si mesmo se louva, mas sim aquele a quem o Senhor louva.[7]

Longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na Cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo.[8]

Um senso saudável e adequado de orgulho se faz presente quando respeitamos e valorizamos nosso caráter, nossas habilidades, nossos esforços e nossas realizações, assim como os de nossos cônjuges e filhos.

À parte desse orgulho adequado e apropriado, o termo na Bíblia é em geral usado para se referir a uma característica negativa do caráter, a qual desagrada a Deus. Os sinônimos usados nas Escrituras para se referir a ela são: arrogância, presunção, soberba, jactância, insolência e pretensão. Nesses sentidos, o orgulho é um sentimento de superioridade, uma atitude de alguém que crer ser melhor que os demais, um senso indevido de auto-importância. Na perspectiva bíblica, o orgulho é uma atitude inadequada no nosso relacionamento com Deus. Apesar de a humildade resultar de ter uma percepção clara de Deus como Criador ao qual devemos responder, o orgulho é visto como rebelião contra Ele da parte de alguém que se coloca acima de Deus ou usurpa a honra e a glória que Lhe são devidas;

A Bíblia deixa bem claro como Deus vê o orgulho:

Abominação é para o Senhor todo altivo de coração.[9]

Odeio o orgulho, a arrogância, o mau caminho, e a boca perversa.[10]

“Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.”[11]

A arrogância do homem será humilhada e o orgulho dos homens será abatido.[12]

A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda.[13]

Entender como Deus vê o orgulho é o bastante para levarmos a sério as admoestações para nos livrarmos dele. Sem dúvida, é algo que prejudica nosso relacionamento com Ele. O orgulho também fere as relações entre as pessoas. Quem vê o outro como um inferior, entende-se justificado a desprezá-lo ou simplesmente ignorá-lo. Por outro ângulo, considerar outra superior pode levar ao sentimento de baixo valor próprio e isso pode nos levar a valorizar mais as opiniões dessas pessoas do que no que sabemos ser o certo ou agradável ao Senhor.[14] O orgulho corrói nosso relacionamento com o Senhor e com os outros. Em suma, não podemos amar o Senhor nosso Deus com todo o coração, alma e entendimento, e o nosso próximo como a nós mesmos se nos considerarmos acima deles.

O orgulho e parte da natureza humana que reside conosco:

Pois do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos… a soberba … Todos estes males procedem de dentro, e contaminam o homem.[15]

Apesar de se apresentar de muitas maneiras, as manifestações mais comuns de orgulho são o orgulho racial ou étnico, orgulho espiritual e orgulho das riquezas. João Batista denunciou o orgulho racial ou étnico quando destacou que toda nacionalidade é aceita diante de Deus.

Não comeceis a dizer entre vós mesmos: “Temos Abraão por pai”. Pois eu vos digo que até destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão.[16]

O Senhor abordou o orgulho espiritual na parábola do fariseu e do publicano.[17]

Jesus disse esta parábola a alguns que confiavam em si mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros.[18]

Lemos uma advertência para os ricos não se encherem de orgulho por causa de seus bens:

Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos.[19]

O rico, porém, glorie-se na sua insignificância, porque ele passará como a flor da erva. Pois o sol sai com seu ardente calor, e faz secar a erva; a sua flor cai, e a sua formosura perece. Assim murchará também o rico em seus caminhos.[20]

Independentemente da maneira de como se manifeste em nós, o orgulho é essencialmente um problema de egocentrismo, indícios do que podemos notar quando nos exaltamos, nos minimizamos, atacamos ou ignoramos os outros. Vamos analisar rapidamente cada um desses.[21]

A supervalorização de si próprio leva à vanglória. Exibimos esse tipo de orgulho quando inflamos a própria imagem em nossas mentes ou nas mentes dos outros. Dentre os sintomas desse mal está exagerar a verdade para atrair a atenção; servir e ajudar para sermos notados pelos outros; achar-se no direito de atenções e favores especiais por conta do que sentimos ser ou de nossas realizações. Se tivermos uma posição de autoridade, realizamos algo de maior importância ou temos um talento que nos destaca em alguma área, e essas coisas nos levam a sentir que somos de alguma forma especiais ou superiores aos demais, então manifestamos orgulho. Se sentirmos que merecemos alguma posição privilegiada e, especialmente, se nos vemos em um status superior ao dos demais, estamos nos exaltando em orgulho.

Minimizar-se ou o sentimento de que não temos valor é também uma forma de orgulho. É uma atitude enganosa porque disfarça de humildade, mas pode ser uma tentativa —consciente ou não— de atrair atenção para si próprio. Isso pode se manifestar quando falamos de nós mesmos de uma maneira negativa ou depreciativa, na esperança que alguém note e refute nossos comentários, construindo assim uma imagem favorável para nós. É o que pode também acontecer quando destacamos nossas fraquezas e limitações em áreas em que outros se destacam. Outro sintoma é ter dificuldade para aceitar ajuda, donativos ou elogios porque não nos sentimos dignos ou temos vergonha de aceitar a ajuda de que precisamos.[22]

Quando somos intolerantes, depreciamos alguém com nossos comentários ou até atacamos os outros, exibimos orgulho. Isso acontece quando tendemos a ser críticos, irritadiços, intransigentes, contestadores e farisaicos. Quando sentimos constantemente que estamos certos e os outros, errados e criticamos os outros pelos seus erros, então apresentamos sintomas de orgulho. Tentar mudar os outros para que se conformem aos nossos padrões pessoais e à maneira como nos parece que deveriam ser equivale a querer assumir o papel do Espírito Santo na vida de alguém. É verdade incontestável que, às vezes, as pessoas precisam mudar, para o que nossos conselhos e ajuda podem ter seu lugar e serem até necessários. Nesses casos, devemos agir em oração, amor, interesse genuíno pela outra pessoa, humildade e sob a orientação do Espírito Santo.)

Nosso orgulho se manifesta quando subvalorizamos os demais ao ignorá-los ou não aceitar suas contribuições. Quando não estamos dispostos a escutar os outros, tornamo-nos incapazes de aprender; a atitude de que temos tudo sob controle nos isola dos demais que tentam nos oferecer conselhos, instruções ou advertências. E isso é orgulho. A atitude de “você tem de me aceitar do jeito que sou” diz que não estamos dispostos a reconhecer que há áreas em nossas vidas que precisam mudar, dá a impressão que não temos interesse em superar traços negativos aos quais estamos presos.

Todos manifestamos o orgulho de uma maneira ou de outra, pois é um resultado natural do estado decaído dos seres humanos. É algo que se manifesta em cada pessoa de diferentes maneiras, em vários graus e sob diversas circunstâncias — às vezes de forma sutil; em outras, flagrante.

A seguir, você encontrará uma lista que pode ajudá-lo a identificar possíveis manifestações em nossas vidas.[23]

Infelizmente, muitos manifestamos alguns aspectos de orgulho, os quais, muitas vezes, não notamos. A lista acima pode nos ajudar a reconhecer áreas de nossas vidas em que o orgulho se manifesta. Certamente me ajudou.

A seguir incluímos uma lista de atitudes e ações que podem agir como um antídoto para o orgulho e nos ajudar a aprender a humildade.[24]

Louvor e adoração

Louvar a Deus por quem Ele é, Seus atributos e tudo que faz, dando-Lhe graças, honra e glória é vital para a verdadeira humildade. Ao adorar a Deus damos-Lhe a honra devida. Isso nos lembra quem é verdadeiramente grandioso. Ele é o Criador e Salvador; somos criaturas e salvos. Quando louvamos e adoramos Deus, declaramos que Ele é Deus e nos colocamos em uma posição de submissão a Ele.

Autoestima

Como Deus valoriza cada um de nós, devemos aceitar Seu amor profundo e incondicional e nos valorizarmos também. Nossos dons, talentos, circunstâncias e muitas outras coisas podem nos diferenciar dos outros; mas cada um de nós é precioso para o Pai. Deus não nos valoriza pelo que realizamos, nosso status financeiro, nossa popularidade ou qualquer outra razão exterior. Ele nos ama e nos valoriza porque somos Seus filhos.

Sinceridade

Ser sincero consigo mesmo e com os outros cultiva a humildade. O orgulho nos leva a exagerar, esconder, fingir, manipular informações e até mentir para tentar ocultar nossas limitações, fracassos e pecados. A humildade, por outro lado, nos ajuda a confiar na graça e no amor incondicional de Deus, além de sinceramente reconhecer para Ele e para os outros nossas limitações, erros e pecados

Santidade / Obediência

Santidade pode ser uma palavra impopular nos dias de hoje, pois sugere presunção e uma atitude de orgulho espiritual. Contudo, não é esse o significado expresso nas Escrituras. Há várias palavras no hebraico e no grego, com a mesma derivação traduzidas para “santo”. Transmitem a ideia de algo que foi santificado, sacramentado, purgado de maldade, separado para Deus. Um dos principais usos no Novo Testamento é no senso de algo separado para Deus, para ser exclusivamente Seu.[25]

Os cristãos devem ser postos à parte por pertencerem a Deus. Isso muitas vezes se manifesta em nossa obediência a Ele e à Sua Palavra. É preciso humildade para obedecer, pois implica abrir mão de nossos caminhos e senso de merecimento. É preciso humildade para obedecer e confiar nEle no que diz respeito ao resultado.

Serviço

É preciso humildade para servir aos outros. Podemos ter dons e talentos notáveis, mas isso não significa que devemos usá-los todo o tempo. Há circunstâncias em que devemos deixar de lado nossas habilidades e simplesmente fazer o que a situação requer, seja a tarefa grande ou pequena. Em algumas situações precisaremos cuidar de alguém em necessidade. Pode haver o dia em que você deverá cuidar de alguém. Pode chegar o tempo em que terá de sacrificar seus desejos e até suas necessidades por causa dos outros, ou em nome de algo que o Senhor lhe está chamando para fazer.

Esperar

Esperar significa nos colocar à disposição de Deus para que ele possa nos atribuir o papel de Sua preferência. É permitir que Ele nos dirija, em vez de forçar nossa própria agenda ou exigir que as coisas sejam feitas a nosso modo. É ser sensível à orientação do Senhor, buscar Sua orientação e Lhe dedicar o tempo necessário para a transmitir a nós. É ser paciente, confiante de que Ele fará com que tudo se ajeite. Para esperar é preciso humildade.

Conclusão

Em suma, se quisermos cultivar a humildade, o primeiro passo é nos concentrarmos em Deus. Conforme nos aproximamos dEle, passamos mais tempo nos concentrando nEle, aprendendo a Seu respeito, conversando com Ele e criando espaço para Ele em nossas vidas, Ele cresce em importância e começa a ocupar uma área cada vez maior em nosso “campo de visão” por assim dizer. Quando isso acontece, somos lembrados de como Ele é perfeito e nós, não. Quando nos relacionamos bem com Ele, seremos humilhados pelo fato de que Ele nos ama e nos valoriza apesar de nossas imperfeições. Esse relacionamento nos leva a um bom equilíbrio entre autoestima saudável e humildade genuína.


Nota

A menos que indicado o contrário, todas as referências às Escrituras foram extraídas da “Bíblia Sagrada” — Tradução de João Ferreira de Almeida — Edição Contemporânea, Copyright © 1990, por Editora Vida.


[1] Filipenses 2:5.

[2] 1 Pedro 5:5.

[3] Tiago 4:10.

[4] Mateus 23:12.

[5] Colossenses 3:12.

[6] 2 Coríntios 7:4.

[7] 2 Coríntios 10:17–18.

[8] Gálatas 6:14.

[9] Provérbios 16:5 NAS.

[10] Provérbios 8:13.

[11] Tiago 4:6.

[12] Isaías 2:17.

[13] Provérbios 16:18.

[14] Floyd McClung Jr., Follow (Colorado Springs: David C. Cook Publishers, 2010), 82.

[15] Marcos 7:21–23.

[16] Lucas 3:8.

[17] Um artigo sobre esta parábola pode ser encontrado em: https://directors.tfionline.com/pt/post/historias-que-jesus-contou-o-fariseu-e-o-coletor-d/

[18] Lucas 18:9.

[19] 1 Timóteo 6:17.

[20] Tiago 1:10–11 NAS.

[21] Pontos condensados do livro de Katherine Brazelton e Shelley Leith, Character Makeover (Grand Rapids: Zondervan, 2008), 31–32.

[22] Em algumas culturas é considerado um insulto aceitar ajuda ou um presente sem antes o recusar. É uma expectativa cultural e não necessariamente uma demonstração de orgulho da parte da pessoa.

[23] Lista obtida do livro de Brazelton e Leith, Character Makeover, 35–36.

[24] Lista obtida do livro de Brazelton e Leith, Character Makeover, 41–43.

[25] Para ler mais sobre santidade, consulte Mais como Jesus—Santidade partes 1–4, nesta série.

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies