As Histórias que Jesus Contou: O Lugar à Mesa, Lucas 14:7-11

Por Peter Amsterdam

Julho 24, 2018

[The Stories Jesus Told: The Place at the Table, Luke 14:7–11]

O capítulo 14 de Lucas começa dizendo que, em certo sábado, Jesus foi convidado para jantar na casa de um líder dos fariseus. Ao chegar — havendo curado um homem que tinha hidropisia no caminho para a casa— Ele contou uma parábola. Segundo alguns estudiosos da Bíblia, o que Ele disse não foi na verdade uma parábola, porém, considerando que Lucas especificamente diz ser uma, parece melhor contá-la entre as parábolas de Jesus.

Reparando como os convidados escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhes uma parábola: “Quando por alguém fores convidado para um casamento, não procures o primeiro lugar; para não suceder que, havendo um convidado mais digno do que tu vindo aquele que te convidou e também a ele, te diga: Dá o lugar a este. Então, irás, envergonhado, ocupar o último lugar.”[1]

Havia protocolos importantes na Região do Mediterrâneo do tempo de Jesus no que dizia respeito aos lugares à mesa, especialmente em ocasiões especiais como festas de casamento. Naquele tempo, as pessoas de status e prestígio elevados ocupavam os assentos mais próximos à cabeceira da mesa, onde se sentava o homem objeto das maiores honrarias. Como naquela época eram de extrema importância a posição de status, classes sociais e protocolos, tirar alguém de seu lugar à mesa era uma desonra, um grande insulto e altamente ofensivo.

Jesus percebeu que alguns dos presentes no jantar estavam disputando as posições mais honradas à mesa. Como judeus religiosos, estavam familiarizados com o provérbio que afirma:

Não te glories na presença do rei, nem te ponhas no meio dos grandes, porque melhor é que te digam: Sobe para aqui! Do que seres humilhado diante do príncipe.[2]

Ao contar esta parábola, Jesus estava ressaltando um princípio semelhante.

Quem se apressasse para ocupar um assento de honra corria o risco de alguém de maior status chegar mais tarde para ocupar o mesmo lugar. Nenhum anfitrião permitiria que alguém de prestígio ocupasse uma posição inferior ao que lhe fosse adequado, pois seria uma violação grave de etiqueta. O anfitrião teria de necessariamente dizer à pessoa sentada indevidamente no lugar de honra para ir para um assento de menos honra. E como os outros convidados já estariam sentados, o único lugar disponível seria o menos qualificado. O indivíduo que se sentara imerecidamente no lugar de honra teria de se levantar diante de todos e passar pelo constrangimento de ir para o lugar de menos honra.

Jesus disse para Seus ouvintes que deveriam ter a atitude contrária.

“Quando fores convidado, vai tomar o último lugar; para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, senta-te mais para cima. Ser-te-á isto uma honra diante de todos os mais convivas.”[3]

Jesus disse que é melhor ser humilde e escolher o assento de menor honra, que poderá resultar do anfitrião te chamar para um assento superior. Ao invés de sofrer a humilhação por tentar se enaltecer, essa pessoa seria honrada diante de todos os outros convidados.

Jesus mostrou que a humildade é a melhor atitude, como também ensinou outras partes dos Evangelhos:

Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva.[4]

Aquele que se humilhar como esta criança, esse é o maior no reino dos céus.[5]

Quem a si mesmo se exaltar será humilhado; e quem a si mesmo se humilhar será exaltado.[6]

Os ensinamentos de Jesus sobre humildade repercutem também ao longo do Novo Testamento:

Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.[7]

Humilhai-vos na presença do Senhor, e ele vos exaltará.[8]

Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo.[9]

No trato de uns com os outros, cingi-vos todos de humildade.[10]

Depois de narrar a humilhação sofrida por um convidado fictício que presunçosamente ocupou o melhor assento, Jesus Se dirige ao anfitrião da refeição que Lhe convidara, dizendo:

“Quando deres um jantar ou uma ceia, não convides os teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem vizinhos ricos; para não suceder que eles, por sua vez, te convidem e sejas recompensado. Antes, ao dares um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensar-te; a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos.”[11]

Devido à grande importância de prestígios sociais na sociedade romana (que naquela época incluía Israel), era uma prática convidar as pessoas de “alto escalão” para jantares, na expectativa que o convite fosse retribuído algum dia — um costume que ainda hoje existe. Provavelmente Jesus percebeu que o fariseu que oferecia o jantar e os demais convidados eram adeptos desse círculo de reciprocidade, pelo que ofereceu uma alternativa espiritualmente melhor. Ensinou que, em vez de convidar os amigos, os irmãos, os parentes e os ricos —na expectativa de que o favor fosse devolvido— o anfitrião deveria chamar os que não pudessem retribuir. No lugar dos quatro grupos citados anteriormente formado por aqueles capazes de devolver a gentileza, Jesus listou outros quatro, formado por necessitados: os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos.

Com isso, Jesus apresentou uma opção melhor que o “pagamento” do sistema contrapartida. Ensinou a importância da prática da hospitalidade sem a expectativa de nenhum tipo de retribuição. A generosidade do coração sem nenhuma outra motivação é agradável a Deus. Jesus disse que os que escolhem ser assim generosos serão abençoados e recompensados na vida por vir, apesar de não ser isso o que os motiva. Atos de bondade e abnegação refletem o amor e a misericórdia de Jesus pelos outros e são fruto do nosso amor por Ele.


O lugar à mesa, Lucas 14:7–14

7 Reparando como os convidados escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhes uma parábola:

8 Quando por alguém fores convidado para um casamento, não procures o primeiro lugar; para não suceder que, havendo um convidado mais digno do que tu,

9 vindo aquele que te convidou e também a ele, te diga: Dá o lugar a este. Então, irás, envergonhado, ocupar o último lugar.

10 Pelo contrário, quando fores convidado, vai tomar o último lugar; para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, senta-te mais para cima. Ser-te-á isto uma honra diante de todos os mais convivas.

11 Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado.

12 Disse também ao que o havia convidado: Quando deres um jantar ou uma ceia, não convides os teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem vizinhos ricos; para não suceder que eles, por sua vez, te convidem e sejas recompensado.

13 Antes, ao dares um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos;

14 e serás bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensar-te; a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos.”


Nota

A menos que indicado o contrário, todas as referências às Escrituras foram extraídas da “Bíblia Sagrada” — Tradução de João Ferreira de Almeida — Edição Contemporânea, Copyright © 1990, por Editora Vida.


[1] Lucas 14:7–9.

[2] Provérbios 25:6–7.

[3] Lucas 14:10–11.

[4] Mateus 20:26–28.

[5] Mateus 18:4.

[6] Mateus 23:12.

[7] Tiago 4:6.

[8] Tiago 4:10.

[9] Filipenses 2:3.

[10] 1 Pedro 5:5.

[11] Lucas 14:12–14.

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies