O Rapaz e o Sorriso

Por Maria Fontaine

Dezembro 8, 2018

[Smiles Man]

Eu tinha acabado de despedir-me do médico, paguei minha consulta e saí apressadamente para não deixar minha carona esperando. O Senhor, porém, me parou abruptamente! E eu sabia por quê. Tinha esquecido algo!

Naquele dia de manhã eu orei: “Senhor, por favor, ajude-me a estar mais consciente do que está acontecendo ao meu redor quando estou na rua; a perceber oportunidades de encorajar alguém, quer com um sorriso, um “Deus te abebçoe”, um folheto ou uma conversa animadora. Ajude-me a não agir mecanicamente, mas entender que sempre existem pessoas feridas com as quais Você Se preocupa. Ajude-me a não ficar tão envolvida nos meus compromissos que não perceba que Você talvez deseje que eu faça algo mais.”  

Então voltei para a sala de espera, onde havia um jovem de trinta e poucos anos absorto nos seus pensamentos.

Percebi que devia ser a pessoa a quem o Senhor desejava que eu desse atenção. Mas sem nada específico em mente, aproximei-me dele e disse: “Oi. Tudo bem?” Ele não respondeu. “Aposto que você tem um sorriso maravilhoso”. A resposta foi o silêncio. Eu podia ouvir seus pensamentos: “O que você tem a ver com isso?” Insisti: “Adoraria ver o seu sorriso”.

A essa altura ele deve ter achado que eu era doida varrida e, como tenho idade para ser avó dele, ainda por cima senil. Ele decidiu me agradar e dizer algo, apesar de não ter sorrido.

“Eu nunca sorrio, só quando assisto a uma comédia”, ele explicou, e mencionou alguns shows de comédia.

O fato de ele ter dispensado aquele detalhe de preferência pessoal deu abertura para eu falar algo a meu respeito. Respondi: “A vida pode ser bem difícil, e é bom ter algo que nos alegre de vez em quando. Eu tenho algo que me faz sorrir. Quando acordo me sentindo ruim e é difícil começar o dia, tento logo olhar no espelho e forço um sorriso.

Às vezes tenho que rir de mim mesma. É incrível a diferença que isso faz, porque vejo o reflexo de uma pessoa feliz. É surpreendente. Sabe, interessante como sorrir muda o meu estado de espírito. Não só melhora a minha aparência, mas também me faz sentir melhor. E ainda mais surpreendente é que me motiva a sorrir para as pessoas durante o dia, já que comecei bem o dia porque sorri logo ao me levantar.

Você nem imagina como um sorriso ajuda. Não custa nada, só o esforço de deixar a letargia. E faz uma grande diferença para os outros e também para você quando sente que fez algo bom para alguém e até inspira a outra pessoa a passar adiante o sorriso. Tente.”

Para terminar eu lhe disse “Deus te abençoe”, e, por incrível que pareça, ele respondeu: “Deus abençoe você também”. Pela resposta percebi que ele aceitou o que eu disse.

Despedi-me do jovem e quando saí vi que minha carona ainda não tinha chegado. Conclusão: o Senhor permitiu esse tempinho a mais para eu conversar com ele. Enquanto esperava do lado de fora, o jovem saiu do prédio murmurando algo sobre ter que mudar seu carro de lugar. Quando ele voltou, decidi reiterar o que havia dito: “Tenha um bom dia! E continue sorrindo!” Ele sorriu de verdade e respondeu: “Você também”.

Eu então lembrei que não tinha lhe dado um folheto. Imaginei o que ele pensaria disso. Tirei um da bolsa e voltei à sala de espera, mas ele tinha acabado de entrar no consultório para ser atendido.

Na volta para casa contei para meu amigo o que havia acontecido. “Se eu tivesse parado para pensar, provavelmente não teria dito aquilo para ele. O fato de eu insistir que ele sorrisse não foi nada normal. Quem anda por aí olhando pro teto e sorrindo se não tem ninguém para quem sorrir ou razão para sorrir? E se ele tivesse perdido alguém da família recentemente? Ou extraído todos os dentes da frente? Eu estava tentando imaginar que tipo de testemunho tinha sido. Eu podia muito bem ter feito o que sempre faço quando tenho oportunidade e estou passando por alguém, e ter entregado um folheto e dito que talvez gostaria de ler, ou dizer “Um presentinho pra você”, ou algo assim. Mas eu só lhe disse para sorrir e não lhe dei nenhuma mensagem sobre Jesus.”

Depois consultei o Senhor a respeito desse encontro. Apesar de ser muito simples animar alguém com um sorriso, senti que era significativo, porque foi uma resposta à minha oração no início do dia. Além do mais, senti a mesma emoção espiritual de quando tenho oportunidade de falar sobre Jesus.

O Senhor disse o seguinte:

Aquele rapaz teve uma conexão comigo quando mais jovem, mas diferentes questões o afetaram tão negativamente que ele hoje sente que nem tem razão para tentar.

Tirando fatores externos que o distraem, ele não tem muito mais que o deixe feliz. Por isso ele disse que só sorri quando assiste a uma comédia. Ele só sente um pouquinho de leveza e luz quando se desliga da sua vida e se esconde no mundo do faz de conta. É a única ocasião quando escapa de sua vida maçante e sem conquistas. Então, por que sorrir? Ele acha que não tem razão para sorrir.

Não encontrou respostas na religião e não se importa mais com a fé. Por isso Eu não lhe indiquei para falar com ele especificamente sobre Mim ou lhe dar um folheto. Você disse o que eu sabia que ele precisava ouvir. Ele não está desesperado e em busca de esperança, e mesmo que estivesse, no momento ele não vai procurar isso em religião ou igrejas. Você disse exatamente o que o tirou da sua rotina, chamou a atenção dele e criou uma maneira de ele desviar os pensamentos de si mesmo e de tudo que o incomoda.

A maneira como você abordou a questão de sorrir foi novidade para ele – um absurdo ver uma senhora de idade dirigir-se a ele e dizer algo tão fora do comum. Quando você prendeu a atenção dele com o comentário sobre o sorriso e disse que talvez ele devesse tentar sorrir, isso o fez pensar em algo que ouviu da avó quando pequeno. Ela fazia comentários sobre sorrir, dizendo que o sorriso abriria muitas portas e corações para ele.

Quando você se despediu ele viu um reflexo de si mesmo na janela e sorriu, lembrando-se do que lhe disse sobre o espelho. E quando fez isso, algo começou a mudar dentro dele. Por isso ele foi tirar o carro do lugar, apesar de não precisar. Ele queria ver se você ainda estava lá e se diria algo mais. E você não o desapontou, apesar de ter achado que estava forçando a barra. Você foi a primeira pessoa em muito tempo que tentou chegar ao coração dele e acender uma luz.

O testemunho às vezes se dá por meio de um sermão, de um folheto ou de uma revelação profunda. Mas você nem imagina quantas vezes ele ocorre de uma maneira inesperada, porque é o que a outra pessoa precisa. Às vezes começa com uma palavra, um olhar, ou algo que você nem considere um testemunho de verdade, mas cria uma conexão espiritual com a outra pessoa. E foi isso que aconteceu entre você e o rapaz. Foi uma etapa em um processo que no final o levará de volta a Mim.

Às vezes, situações semelhantes ocorrem diversas vezes com a mesma pessoa; pode ser uma série de encontros com diferentes pessoas, e cada contato envolve alguém que se destaca do resto e prende sua atenção. Foi esse o caso quando você o encorajou a sorrir, ou, em outros casos, pode ser o brilho no olhar de alguém.

Eu possibilitarei mais desse tipo de interação na vida dele até ele ficar tão curioso que esteja pronto para receber um testemunho direto. Quando isso acontecer ele perceberá os pontos em comum em todos os encontros anteriores. Essa foi uma peça do quebra-cabeça, um passo na jornada daquele jovem.

Se você tivesse já começado lhe entregando um folheto e falando da necessidade de ele receber Jesus não teria dado certo. Esse rapaz já tem uma conexão Comigo, apesar de estar hibernando no momento. Esse encontro foi muito importante. Foi vital! Muitos dos Meus seguidores nem percebem quando foram testemunhas, pode-se dizer que sem querer, porque estavam simplesmente me permitindo guiá-los.

Muitas pessoas exigem algum tipo de “sinal”, algo que chame sua atenção e se destaque. Pode não parecer significativo quando você diz algo, mas realiza o propósito de testemunhar porque reflete o Meu Espírito. Nesse caso, as palavras foram a isca que o fizeram olhar para você e prestar atenção, e com isso ele viu algo que o lembrou de épocas mais felizes.  

Agora está nas Minhas mãos coordenar o próximo encontro para ele. Escolhi você para essa tarefa porque sei que vai orar por ele, e suas orações serão fundamentais para que ele vivencie uma mudança. Eu tenho muita paciência, porque essas coisas precisam ocorrer por livre e espontânea vontade. Desejo trabalhar na vida de cada pessoa da maneira mais necessária. No caso desse rapaz a abordagem deve ser gradual.

Confie em Mim que, não importa o que Eu a inspire a dizer ou fazer, contribui para o plano maior de aproximar a pessoa de Mim de uma maneira que você talvez não entenda completamente. Crie o hábito de estar receptiva e Eu lhe mostrarei o que fazer. Deixe o resto por Minha conta, pois sou o coordenador, o diretor, que planeja de maneira a ajudar Meus filhos da melhor maneira. Então, faça o que Eu a inspirar a fazer, mesmo que não entenda na ocasião. Confie que faz parte do processo que ajudará a pessoa com quem Eu a coloco em contato. Às vezes, aquilo que não parece ajudar alguém é exatamente o que a pessoa precisa para dar o passo seguinte.

P.S.: Agora, quando sorrio em frente ao espelho de manhã, lembro de orar por aquele rapaz, pedindo que ele também aprenda a sorrir e encontre a alegria verdadeira em Jesus.

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies