O Credo (Parte 4)

Por Peter Amsterdam

Abril 21, 2020

[The Creed (Part 4)]

(Pontos para este artigo foram tirados de The Creed por Luke Timothy Johnson.[1])

A terceira parte desta série de artigos abordou a parte do credo que se refere a Jesus como um Senhor, Jesus Cristo. Vimos que Jesus é chamado de Senhor, o que reflete a Sua divindade. Seu nome, Jesus, indica que é Ele Quem salva as pessoas de seus pecados, enquanto o título Cristo expressa Seu papel como o Ungido, o Messias.

Depois de afirmar que Jesus é Deus, o credo declara que Cristo veio de Deus, o Pai e para Ele voltou, como nenhum ser humano jamais fez ou fará. Quando Jesus veio de Deus, como criança nascida de Maria, manteve sua divindade. Depois de morto crucificado, ressuscitou e voltou para o céu. Credos anteriores passaram da declaração de “um Senhor Jesus Cristo” diretamente para abordar os atos que Ele fez na forma humana. No entanto, por causa de algumas falsas doutrinas que surgiram no século 4, tornou-se necessário adicionar mais informações para afirmar a singularidade de Jesus como o Filho de Deus.

A parte do credo que aborda isso é:

Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,
      Filho Unigênito de Deus,
      nascido do Pai antes de todos os séculos:
            Deus de Deus,
            luz da luz,
            Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
      gerado, não criado,
      consubstancial ao Pai.
      Por ele todas as coisas foram feitas.

O Único Filho de Deus

Jesus é chamado de o único Filho de Deus, ou mais literalmente, “o único filho gerado de Deus”. No momento em que o credo foi formulado, houve aqueles que acreditavam que Jesus Se tornou Filho de Deus simplesmente pela adoção e que era filho de Deus no mesmo sentido em que todos os crentes são considerados filhos de Deus.

Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.[2]

Assim, aqueles que formularam o credo precisavam se concentrar nas passagens das Escrituras que apresentam de que formas exclusivas Jesus é ofilho de Deus.

Nos Evangelhos, lemos sobre uma voz do céu afirmando:

E uma voz dos céus disse: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.[3]

A mesma voz foi ouvida quando Jesus foi transfigurado.

Estando ele ainda a falar, uma nuvem luminosa os cobriu, e da nuvem saiu uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. A ele ouvi![4]

Na Segunda Epístola de Pedro lemos:

Pois ele recebeu de Deus Pai honra e glória, quando da magnífica glória lhe foi dirigida a seguinte voz: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.[5]

Nas cartas escritas por Paulo, os autores do credo também encontraram referências a Jesus como filho de Deus.

Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como não nos dará também com ele todas as coisas?[6]

O apóstolo também fez uma série de referências ao fato de Deus ter enviado Seu Filho.

Pois o que era impossível à lei, visto que estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne.[7] 

Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.[8]

No livro de 1 João encontramos:

Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em que Deus enviou o seu Filho unigênito ao mundo, para que por meio dele vivamos.[9]

Vimos, e testificamos que o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo.[10]

As epístolas de Paulo e de João apontam para o fato de que Jesus, aquele que Deus enviou ao mundo, é Filho de Deus e é divino.

Gerado pelo Pai

O credo continua a se concentrar em Jesus como Deus: Nascido do Pai antes de todos os séculos. O Evangelho segundo João fala da Palavra (Verbo):

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.[11]

O Verbo do qual João fala é Deus. Ele então escreveu:

O Verbo se fez carne, e habitou entre nós. Vimos a sua glória, a glória como do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.[12]

O Verbo ou a Palavra, que é Deus e se tornou carne, foi Jesus Cristo.

Em uma passagem posterior, no Evangelho segundo João lemos:

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não crê no nome do unigênito Filho de Deus.[13]

Jesus, a Palavra, que estava com Deus desde o início, também é o único filho de Deus.

Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em que Deus enviou o seu Filho unigênito ao mundo, para que por meio dele vivamos.[14]

O credo deixa claro que Jesus, a Palavra, o único Filho, existiu com o Pai antes de todos os séculos, ou seja, antes do tempo existir. O Filho não foi feito pelo Pai, como a Criação o foi. Antes, o Filho é uma extensão ou expansão da própria existência do Pai.

Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro

O credo continua a enfatizar que Jesus é Deus. Ele não é apenas Senhor, apenas Filho e gerado pelo Pai antes de todos os tempos, mas também é Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro. A primeira e a terceira frase, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, enfatizam que Jesus é Deus.

A expressão Luz da Luz indica a presença de Deus já que, no Antigo Testamento, a luz era sempre associada a Deus.

Pois em ti está o manancial da vida; na tua luz veremos a luz.[15]

O Senhor é a minha luz.[16]

Salmo 89:15 proclama:

Bem-aventurado o povo que aprendeu a aclamar-te, que anda à luz da tua presença, ó Senhor.

No livro de Isaías lemos:

Levanta-te, resplandece, pois já vem a tua luz, e a glória do Senhor vai nascendo sobre ti. As trevas cobrem a terra, e a escuridão os povos; mas sobre ti o Senhor vem surgindo, e a sua glória se vê sobre ti. As nações caminharão à tua luz, e os reis ao resplendor que te nasceu.[17]

No Novo Testamento, a luz está associada à presença de Deus em Jesus. Em 1 Timóteo 6:14-16, lemos que nosso Senhor Jesus Cristo aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível. O apóstolo Pedro fala do povo de Deus sendo chamado: vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.[18] No livro de James nos dizem que toda boa dádiva e todo dom perfeito é lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.[19]

O autor Luke Timothy Johnson escreveu:

O apóstolo Paulo usou o imaginário de luz para falar sobre Jesus: Pois Deus, que disse: “Deixe a luz brilhar das trevas”, brilhou em nossos corações para dar a luz do conhecimento da glória de Deus diante de Jesus Cristo (2 Coríntios 4:6). Aqui o apóstolo Paulo reúne Deus, o Criador que chamou a luz e Jesus, o Senhor. A própria glória de Deus “brilha” na face de Cristo. Ele é “leve da luz.”[20]

No Evangelho segundo João, encontramos a metáfora da luz usada para expressar a identidade e a obra de Jesus.

Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram sobre ela.[21]

A luz verdadeira que ilumina a todos os homens estava vindo ao mundo.[22]

A condenação é esta: A luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz porque as obras deles eram más.[23]

Jesus continuou a dizer à multidão: Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.[24]

Como o Pai é luz, o Filho também é.

Gerado, não criado, consubstancial ao Pai

No século IV, um bispo chamado Arius em Alexandria, Egito, ensinou a falsa doutrina de que o Filho de Deus era uma criatura feita por Deus. Segundo essa falsa doutrina, denominada arianismo, houve um tempo em que o Filho de Deus não existia.[25] Os bispos que se reuniram no Concílio de Nicéia refutaram a afirmação de Arius usando a palavra grega homoousios (um em seu ser) para afirmar a unidade de ser do Pai e do Filho. Escolheram esse termo para expressar a crença essencial de que o Filho não é apenas uma versão melhorada de um ser humano, mas que é Deus. Seu ser, Sua geração, é diferente da natureza humana. O Filho não é apenas como o Pai, mas é inseparável da substância do Pai; Ele e o Pai são a mesma coisa. Assim, Ele é gerado, não feito, e Ele é da mesma substância que o Pai.

Por ele todas as coisas foram feitas

Esta é a última declaração no credo referindo-se ao Cristo “pré-existente”. No início do credo lemos que Deus, o Pai todo-poderoso, é o criador do céu e da terra. Aqui afirma que aquele que não foi criado foi o instrumento pelo qual Deus criou “todas as coisas”.

O Evangelho segundo João é um dos livros do Novo Testamento que fala do papel do Filho na criação.

Todas as coisas foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez.[26]

O apóstolo Paulo também se refere ao Filho ser ativo na criação.

Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também por ele.[27]

Pois nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele.[28]

Os autores do Credo Niceno-Constantinopolitano olharam para os ensinamentos das Escrituras enquanto tentavam expressar e defender a divindade de Jesus Cristo. É claro que a Bíblia ensina que Jesus é:

      Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus,
      nascido do Pai antes de todos os séculos:
            Deus de Deus,
            luz da luz,
            Deus verdadeiro de Deus verdadeiro,
      gerado, não criado,
      consubstancial ao Pai.
      Por ele todas as coisas foram feitas.

(Continua na quinta parte.)


Nota

A menos que indicado o contrário, todas as referências às Escrituras foram extraídas da “Bíblia Sagrada” — Tradução de João Ferreira de Almeida — Edição Contemporânea, Copyright © 2001, por Editora Vida.


[1] The Creed — What Christians Believe and Why It Matters (Nova York: Doubleday, 2003).

[2] Romanos 8:14.

[3] Mateus 3:17. Veja também Marcos 1:11, Lucas 3:22.

[4] Mateus 17:5.

[5] 2 Pedro 1:17. Veja também Marcos 9:7.

[6] Romanos 8:32.

[7] Romanos 8:3.

[8] Gálatas 4:4-5.

[9] 1 João 4:9.

[10] 1 João 4:14.

[11] João 1:1-4

[12] João 1:14.

[13] João 3:16-18.

[14] 1 João 4:9 

[15] Salmo 36:9.

[16] Salmo 27:1.

[17] Isaías 60:1–3.

[18] 1 Pedro 2:9.

[19] Tiago 1:17.

[20] Johnson, The Creed, 126.

[21] João 1:4–5.

[22] João 1:9.

[23] João 3:19.

[24] João 8:12.

[25] Para mais sobre arianismo, consulte A Essência de Tudo: A Santíssima Trindade (2ª Parte).

[26] João 1:3.

[27] 1 Coríntios 8:6.

[28] Colossenses 1:16–17.

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies