Jesus — Sua Vida e Mensagem: A Pergunta de Jesus e a Oferta da Viúva

Por Peter Amsterdam

Fevereiro 9, 2021

[Jesus—His Life and Message: Jesus’ Question and the Widow’s Offering]

No capítulo 12 do Evangelho segundo Marcos, uma série de tópicos são abordados, incluindo a parábola dos lavradores, o pagamento de impostos e a ressurreição. No final deste capítulo, dois tópicos adicionais são abordados: a paternidade do Messias e a oferta da viúva.

Pergunta de Jesus

Os três Evangelhos Sinópticos[1] falam de uma pergunta difícil que Jesus fez aos Seus oponentes.[2] Vamos nos basear no relato encontrado no Evangelho segundo Marcos.

Enquanto ensinava no templo, Jesus perguntou: Como dizem os escribas que o Cristo é filho de Davi? O próprio Davi, falando pelo Espírito Santo, declarou: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés. O próprio Davi chama-lhe Senhor. Como, pois, pode ser seu filho?[3]

Jesus estava ensinando na área do Templo, como sempre fazia. Fez uma pergunta sobre por que os escribas diziam que o Messias era o “filho de Davi”. É fácil entender por que diziam isso, uma vez que as promessas messiânicas do Antigo Testamento se referem ao Messias vindo do “ramo” de Davi.

Vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei a Davi um Renovo justo, um rei que reinará e prosperará, e praticará o juízo e a justiça na terra. Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro. Este será o seu nome, com que o nomearão: O Senhor, Nossa Justiça.[4] 

Naqueles dias e naquela época farei brotar um Renovo justo da linhagem de Davi; ele fará o que é justo e certo na terra.[5]

Do tronco de Jessé brotará um rebento, e das suas raízes um renovo frutificará. Repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o Espírito de sabedoria e de inteligência, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do Senhor.[6]

Marcos, autor desse Evangelho, entendeu isso como um ensinamento de que o Messias é filho de Davi, mas apontou que esse entendimento por si só era inadequado. Jesus é muito mais do que isso, a pergunta era para gerar a resposta “O Messias não é apenas o filho de Davi; é, primeiramente, o Filho de Deus.”

Vale notar que em todo o Novo Testamento encontramos referência a se sentar ao lado direito. Essa expressão se refere a um lugar de honra, dignidade e autoridade. O Novo Testamento faz referência a Jesus estar à direita de Deus.

É Cristo quem morreu, ou antes quem ressurgiu dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós.[7] 

Mas este, havendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus. Daí por diante espera que os seus inimigos sejam postos por estrado dos seus pés.[8]

E qual a suprema grandeza do seu poder para conosco, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder, que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e fazendo-o sentar-se à sua direita nos céus, acima de todo principado, e autoridade, e poder, e domínio, e de todo nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro.[9]

A Oferta da Viúva

Marcos[10] e Lucas[11] nos trazem o relato de uma viúva que doou todo seu dinheiro a Deus. Vamos nos concentrar na passagem encontrada no Evangelho segundo Marcos.

Estando Jesus assentado diante do gazofilácio, observava a maneira como o povo lançava ali o dinheiro. Muitos ricos depositavam grandes quantias.[12]

Jesus estava no Templo em Jerusalém. O tesouro do Templo estava localizado na área chamada Tribunal das Mulheres. Nesta área, havia treze urnas que tinham aberturas em forma de trombeta no topo, nas quais as pessoas podiam colocar dinheiro para doar ao templo.

Cada urna era para um tipo específico de oferenda que ia para o funcionamento diário do templo, incluindo os sacrifícios animais que eram feitos diariamente. As urnas foram designadas para ofertas específicas, como oferendas de aves, madeira, incenso e ouro para o propiciatório. Os valores depositados nessas urnas eram administrados pela liderança do templo e usados para seu propósito designado. Havia também seis urnas não designadas para usos específicos, cujo conteúdo poderia ser usado para ajudar os pobres.

Jesus estava sentado no Templo, em um lugar onde Ele podia observar a realização dos depósitos nas caixas de oferenda. Muitos dos doadores eram ricos proprietários de terras que viviam na região de Jerusalém; outros, prósperos empresários judeus que tinham viajado para a capital para celebrar a Páscoa. Alguns eram agricultores locais e comerciantes.

Vindo, porém, uma viúva pobre, lançou duas pequenas moedas, correspondentes a um quadrante.[13]

A palavra grega usada aqui para as pequenas moedas é lepta. O leptón era uma moeda de cobre que tinha menos de um centímetro de diâmetro, e era a menor denominação monetária de então. O valor das duas lepta era de 1/64 de um  denariu. Um denariu era considerado o pagamento normal para um dia de trabalho. O valor da oferta da pobre viúva era financeiramente minúsculo, pois basicamente só podia comprar farinha suficiente para uma pequena refeição. No entanto, Jesus viu outras dimensões daquela oferta.

Chamando os discípulos, Jesus lhes disse: Em verdade vos digo que esta viúva pobre depositou no gazofilácio mais do que todos os ofertantes.[14]

Jesus aproveitou o ensejo para ensinar aos Seus discípulos. Ao começar a frase com em verdade, deu ênfase tanto à importância quanto à veracidade do que estava prestes a dizer. A tradução literal desta pobre viúva é “esta viúva, a pobre”, o que ressalta a pobreza. Não nos disseram como Jesus sabia que a mulher era viúva. Provavelmente devido à maneira como ela se vestia.

Todos deram do que lhes sobrava, mas esta, da sua pobreza, deu tudo o que tinha, todo o seu sustento.[15] 

Era bastante comum, antigamente, que as viúvas passassem por privações econômicas e  a mulher em questão não era exceção. No entanto, apesar da grande dificuldade, deu tudo o que tinha. Jesus fez a comparação entre aqueles que deram do que lhes sobrava e a mulher que doou tudo o que tinha.

Jesus não estava criticando os que doaram o excedente, mas ressaltando o custo para aquela mulher de sua contribuição, mesmo sendo um valor baixo. Um autor escreveu:

O tamanho da doação nem sempre indica abnegação. Na verdade, pode ser enganoso. Muitas vezes, a pequena doação tem maior custo. Jesus mostra aos discípulos que não é o número das moedas, mas a natureza do coração que as dá. Pequenos donativos podem não ser valorizados ou nem mesmo notados, mas, às vezes, são as maiores doações.[16]


Nota

A menos que indicado o contrário, todas as referências às Escrituras foram extraídas da “Bíblia Sagrada” — Tradução de João Ferreira de Almeida — Edição Contemporânea, Copyright ©2001, por Editora Vida.


Bibliografia Geral

Bailey, Kenneth E. Jesus Through Middle Eastern Eyes. Downers Grove: InterVarsity Press, 2008.

Biven, David. New Light on the Difficult Words of Jesus. Holland: En-Gedi Resource Center, 2007.

Bock, Darrell L. Jesus According to Scripture. Grand Rapids: Baker Academic, 2002.

Bock, Darrell L. Luke Volume 1: 1:1–9:50. Grand Rapids: Baker Academic, 1994.

Bock, Darrell L. Luke Volume 2: 9:51–24:53. Grand Rapids: Baker Academic, 1996.

Brown, Raymond E. The Birth of the Messiah. New York: Doubleday, 1993.

Brown, Raymond E. The Death of the Messiah. 2 vols. New York: Doubleday, 1994.

Carson, D. A. Jesus’ Sermon on the Mount and His Confrontation with the World. Grand Rapids: Baker Books, 1987.

Charlesworth, James H., ed. Jesus’ Jewishness, Exploring the Place of Jesus Within Early Judaism. New York: The Crossroad Publishing Company, 1997.

Chilton, Bruce, e Craig A. Evans, eds. Authenticating the Activities of Jesus. Boston: Brill Academic, 1999.

Edersheim, Alfred. The Life and Times of Jesus the Messiah. Updated Edition. Hendrickson Publishers, 1993.

Elwell, Walter A., ed. Baker Encyclopedia of the Bible. Grand Rapids: Baker Book House, 1988.

Elwell, Walter A., e Robert W. Yarbrough. Encountering the New Testament. Grand Rapids: Baker Academic, 2005.

Evans, Craig A. World Biblical Commentary: Mark 8:27–16:20. Nashville: Thomas Nelson, 2000.

Evans, Craig A., e N. T. Wright. Jesus, the Final Days: What Really Happened. Louisville: Westminster John Knox Press, 2009.

Flusser, David. Jesus. Jerusalem: The Magnes Press, 1998.

Flusser, David, e R. Steven Notely. The Sage from Galilee: Rediscovering Jesus’ Genius. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2007.

France, R. T. The Gospel of Matthew. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2007.

Gnilka, Joachim. Jesus of Nazareth: Message and History. Peabody: Hendrickson Publishers, 1997.

Green, Joel B. The Gospel of Luke. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1997.

Green, Joel B., e Scot McKnight, eds. Dictionary of Jesus and the Gospels. Downers Grove: InterVarsity Press, 1992.

Grudem, Wayne. Systematic Theology, An Introduction to Biblical Doctrine. Grand Rapids: InterVarsity Press, 2000.

Guelich, Robert A. World Biblical Commentary: Mark 1–8:26. Nashville: Thomas Nelson, 1989.

Jeremias, Joachim. The Eucharistic Words of Jesus. Philadelphia: Trinity Press International, 1990.

Jeremias, Joachim. Jerusalem in the Time of Jesus. Philadelphia: Fortress Press, 1996.

Jeremias, Joachim. Jesus and the Message of the New Testament. Minneapolis: Fortress Press, 2002.

Jeremias, Joachim. New Testament Theology. New York: Charles Scribner’s Sons, 1971.

Jeremias, Joachim. The Prayers of Jesus. Norwich: SCM Press, 1977.

Keener, Craig S. The Gospel of John: A Commentary, Volume 1. Grand Rapids: Baker Academic, 2003.

Keener, Craig S. The Gospel of John: A Commentary, Volume 2. Grand Rapids: Baker Academic, 2003.

Keener, Craig S. The Gospel of Matthew: A Socio-Rhetorical Commentary. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2009.

Lewis, Gordon R., e Bruce A. Demarest. Integrative Theology. Grand Rapids: Zondervan, 1996.

Lloyd-Jones, D. Martyn. Studies in the Sermon on the Mount. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1976.

Manson, T. W. The Sayings of Jesus. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1957.

Manson, T. W. The Teaching of Jesus. Cambridge: University Press, 1967.

McKnight, Scot. Sermon on the Mount. Grand Rapids: Zondervan, 2013.

Michaels, J. Ramsey. The Gospel of John. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2010.

Milne, Bruce. The Message of John. Downers Grove: InterVarsity Press, 1993.

Morris, Leon. The Gospel According to John. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1995.

Morris, Leon. The Gospel According to Matthew. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1992.

Morris, Leon. Luke. Downers Grove: InterVarsity Press, 1988.

Ott, Ludwig. Fundamentals of Catholic Dogma. Rockford: Tan Books and Publishers, Inc., 1960.

Pentecost, J. Dwight. The Words & Works of Jesus Christ. Grand Rapids: Zondervan, 1981.

Sanders, E. P. Jesus and Judaism. Philadelphia: Fortress Press, 1985.

Sheen, Fulton J. Life of Christ. New York: Doubleday, 1958.

Spangler, Ann, e Lois Tverberg. Sitting at the Feet of Rabbi Jesus. Grand Rapids: Zondervan, 2009.

Stassen, Glen H., e David P. Gushee. Kingdom Ethics: Following Jesus in Contemporary Context. Downers Grove: IVP Academic, 2003.

Stein, Robert H. Jesus the Messiah. Downers Grove: InterVarsity Press, 1996.

Stein, Robert H. Mark. Grand Rapids: Baker Academic, 2008.

Stein, Robert H. The Method and Message of Jesus’ Teachings. Louisville: Westminster John Knox Press, 1994.

Stein, Robert H. The New American Commentary: Luke. Nashville: B&H Publishing Group, 1992.

Stott, John R. W. The Message of the Sermon on the Mount. Downers Grove: InterVarsity Press, 1978.

Talbert, Charles H. Reading the Sermon on the Mount. Grand Rapids: Baker Academic, 2004.

Williams, J. Rodman. Renewal Theology: Systematic Theology from a Charismatic Perspective. Grand Rapids: Zondervan, 1996.

Witherington, Ben, III. The Christology of Jesus. Minneapolis: Fortress Press, 1990.

Witherington, Ben, III. The Gospel of Mark: A Socio-Rhetorical Commentary. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2001.

Wood, D. R. W., I. H. Marshall, A. R. Millard, J. I. Packer, e D. J. Wiseman, eds. New Bible Dictionary. Downers Grove: InterVarsity Press, 1996.

Wright, N. T. After You Believe. New York: Harper Collins Publishers, 2010.

Wright, N. T. Jesus and the Victory of God. Minneapolis: Fortress Press, 1996.

Wright, N. T. Matthew for Everyone, Part 1. Louisville: Westminster John Knox Press, 2004.

Wright, N. T. The Resurrection of the Son of God. Minneapolis: Fortress Press, 2003.

Yancey, Philip. The Jesus I Never Knew. Grand Rapids: Zondervan, 1995.

Young, Brad H. Jesus the Jewish Theologian. Grand Rapids: Baker Academic, 1995.


[1] Mateus, Marcos e Lucas.

[2] Mateus 22:41–46, Marcos 12:35–37, Lucas 20:41–44.

[3] Marcos 12:35–37.

[4] Jeremias 23:5–6.

[5] Jeremias 33:15.

[6] Isaías 11:1–2.

[7] Romanos 8:34.

[8] Hebreus 10:12–13.

[9] Efésios 1:19–21.

[10] Marcos 12:41–44.

[11] Lucas 21:1–4.

[12] Marcos 12:41.

[13] Marcos 12:42.

[14] Marcos 12:43.

[15] Marcos 12:44.

[16] Bock, Luke Volume 2, 1647.

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies