Jesus — Sua Vida e Mensagem: Os Gregos

Por Peter Amsterdam

Abril 6, 2021

[Jesus—His Life and Message: The Greeks]

O Evangelho segundo João fala de um evento ocorrido pouco antes da paixão e morte de Jesus, não citado nos Evangelhos sinópticos.[1] Descreve o encontro de Jesus com alguns gregos que desejavam vê-lO. É significativo que ao ouvir seu pedido, Jesus reconheceu que Sua missão estava chegando ao fim.

Ora, havia alguns gregos entre os que tinham subido a adorar no dia da festa.[2]

A festa referida aqui foi a Festa de Páscoa. Estavam presentes na festa não judeus que acreditavam e adoravam o Deus de Israel, frequentemente referidos como “tementes a Deus”. Neste caso, eram gregos.

Dirigiram-se a Filipe, que era de Betsaida da Galileia, e lhe rogaram: Senhor, gostaríamos de ver a Jesus. Filipe foi dizê-lo a André, e André e Filipe o disseram a Jesus.[3]

Não sabemos o motivo pelo qual esses gregos abordaram Filipe, mas talvez tenha sido porque ele, assim como André, tinha um nome grego. Presume-se que se comunicaram em grego. Não sabemos o tamanho do grupo, apenas que eram alguns gregos.

Jesus respondeu: É chegada a hora em que o Filho do homem será glorificado.[4] 

Jesus estava falando com Filipe e André. (Não há nenhum relato aqui de Jesus ir ver ou falar com os gregos que haviam pedido para vê-lO.) No início desse Evangelho, existem duas referências à “hora”:

Respondeu-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não chegou a minha hora.[5]

Então procuravam prendê-lo, mas ninguém pôs as mãos nele, porque a sua hora ainda não tinha chegado.[6]

Até aquele momento, Sua hora não havia chegado, pelo que Ele não poderia ser preso, mas, como isso havia mudado, Ele poderia cair nas mãos das autoridades judaicas.

Jesus continuou:

Em verdade, em verdade vos digo que se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica só. Mas se morrer, produz muito fruto.[7]

Jesus usou a expressão “em verdade, em verdade” para enfatizar a importância do que dizia, e a palavra se para enfatizar outros pontos importantes como: “Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”[8] e, “Em verdade, em verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos.”[9]

Jesus apontou dois cenários possíveis. Ou o grão de trigo permanece onde está, e assim permanece sozinho e não dá frutos; ou cai na terra (é plantado) e dá muitos frutos. É somente pela “morte” que o potencial de dar frutos pode se tornar um verdadeiro fruto. O apóstolo Paulo faz o mesmo ponto no livro de 1 Coríntios. Insensato! o que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer.[10]

Voltando ao Evangelho segundo João:

Quem ama a sua vida, perdê-la-á, mas quem odeia a sua vida neste mundo, guardá-la-á para a vida eterna.[11]

Primeiro, Jesus fala da vida neste mundo. Aqueles que amam a vida aqui a perderão. O verbo traduzido do grego como perder equivale ao traduzido como destruir no Antigo Testamento. Quem ama este mundo pode destruir a própria vida. Em 1 João, lemos uma advertência semelhante.

Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.[12]

A pessoa que ama sua vida mundana é aquela que vive para o presente. Quem a “odeia” vive e se prepara para o que está por vir. Tal pessoa não se deleita com tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem e onde os ladrões arrombam e roubam. Mas ajuntam tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem destroem e onde os ladrões não arrombam nem roubam. Pois onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.[13] Nesse contexto, odiar a vida significa entregar a Deus nossos desejos pessoais e nos concentrarmos em Suas prioridades, não nas nossas.

Aquele que me serve deve seguir-me, e onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E se alguém me servir, meu Pai o honrará.[14]

Seus servos devem segui-lO, ou seja, reproduzir Seu exemplo de serviço aos demais. Os que assim fizerem serão honrados pelo Pai.

“Agora o meu coração está angustiado, e que direi? Pai, salva-me desta hora? Mas foi precisamente para esta hora que eu vim.”[15] 

Jesus continuou falando, mas agora orando ao Pai. Sua oração é similar à relatada nos Evangelhos sinópticos pouco antes da Sua morte.[16]

“Pai, glorifica o teu nome! Então veio uma voz do céu: Já o glorifiquei, e outra vez o glorificarei.”[17]

Depois de Se dirigir a Seu Pai em oração, Ele ouviu a resposta de Seu Pai. Isso lembra a voz vinda do céu no batismo de Jesus,[18] bem como a voz vinda da nuvem na transfiguração,[19] como relatam os Evangelhos sinópticos. Jesus já glorificou o nome do Pai pelo Seu ministério e o fará novamente quando morrer na cruz.

A multidão que estava ali e ouviu a voz, dizia que era um trovão. Outros diziam: Um anjo lhe falou.[20] 

Nesse momento, lemos que havia uma multidão presente e não somente Filipe e André. Como em outras situações relatadas neste Evangelho, a multidão não é unânime na interpretação do que ouvira.[21] Alguns afirmavam terem ouvido um trovão, enquanto outros diziam que um anjo havia se comunicado com Jesus. Não está claro se alguém na multidão efetivamente ouviu as palavras que foram ditas.

Disse Jesus: Não veio esta voz por causa de mim, mas por causa de vós.[22]

Independentemente de como discerniram o que ouviram, Jesus deixou claro que a voz do céu era um sinal para eles de que a oração de Jesus fora ouvida e uma resposta, dada.

“Agora é o tempo do juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo.”[23]

Nesta e em outras passagens deste Evangelho, Jesus Se referiu a Satanás como o príncipe deste mundo.[24] Nas Epístolas de Paulo, Satanás é chamado de deus deste século.[25]

“Mas eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim. Ele dizia isto para mostrar o tipo de morte que ia morrer.”[26] 

A frase quando for levantado da terra refere-se a como seria morto. Em uma passagem anterior, deste Evangelho, Jesus disse a Nicodemos:

Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, da mesma forma importa que o Filho do homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna.[27] 

A frase atrairei todos a Mim é interpretada de várias maneiras. Para alguns, diz respeito à salvação universal; para outros, significa a inclusão de não apenas determinados indivíduos, mas todos os grupos étnicos, gentios e também judeus. No contexto deste relato, é provável que seja uma referência à presença dos gregos.

A multidão respondeu: Nós temos ouvido da lei que o Cristo permanecerá para sempre, como dizes tu que convém que o Filho do homem seja levantado? Quem é esse Filho do homem?[28] 

Ao anunciar Sua morte, Jesus aparentemente contrariou a expectativa predominante de que o Messias permaneceria para sempre. No entanto, ambas as coisas são verdadeiras. Jesus teria de ser “levantado”, ou seja, morto, mas, ao mesmo tempo, permaneceria para sempre. Foi a mensagem que comunicou ao dizer: Ora, o escravo não permanece sempre em casa, mas o Filho aí permanece para sempre. Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.[29] A multidão não entendeu. Para os presentes a morte era algo definitivo e, portanto, incompatível com a permanência eterna do Messias. Então perguntam a Jesus: “Quem é você?” Eles querem saber como Ele pode, ao mesmo tempo em que alega ser o Messias afirmar que será crucificado.

Então Jesus lhes disse: A luz ainda está convosco por um pouco. Andai enquanto tendes luz, para que as trevas não vos apanhem. Quem anda nas trevas não sabe para onde vai.[30]

Em vez de responder diretamente à pergunta quem é esse Filho do Homem? ou explicitamente afirmar que Ele é o Cristo, Jesus falou de Si mesmo como “a luz”, remetendo ao já declarado no início deste Evangelho.

Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram sobre ela.[31]

A luz verdadeira que ilumina a todos os homens estava vindo ao mundo. Estava no mundo, o mundo foi feito por meio dele mas o mundo não o conheceu.[32]

Em outra passagem do mesmo livro, Jesus ressaltou haver uma restrição de tempo para a manifestação da “luz”. Devemos fazer as obras daquele que me enviou enquanto é dia. A noite vem, quando ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo.[33]

Enquanto tendes a luz, crede na luz, para que sejais filhos da luz. Terminando de dizer estas coisas, Jesus se retirou e ocultou-se deles.[34]

Entende-se que a luz, citada na metáfora seja Jesus. “Crede na luz” é o mesmo “Crede em Jesus”. Tornar-se filhos da luz significa tornar-se pessoas da luz, pessoas que pertencem a Deus. Como escreveu o apóstolo Paulo:

Todos vós sois filhos da luz, e filhos do dia. Nós não somos da noite, nem das trevas.[35] 

Pois outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Andai como filhos da luz (pois o fruto da luz consiste em toda a bondade, e justiça e verdade).[36]

Por sermos crentes, todos somos filhos da luz.[37]


Nota

A menos que indicado o contrário, todas as referências às Escrituras foram extraídas da “Bíblia Sagrada” — Tradução de João Ferreira de Almeida — Edição Contemporânea, Copyright © 2001, por Editora Vida.


Bibliografia Geral

Bailey, Kenneth E. Jesus Through Middle Eastern Eyes. Downers Grove: InterVarsity Press, 2008.

Biven, David. New Light on the Difficult Words of Jesus. Holland: En-Gedi Resource Center, 2007.

Bock, Darrell L. Jesus According to Scripture. Grand Rapids: Baker Academic, 2002.

Bock, Darrell L. Luke Volume 1: 1:1–9:50. Grand Rapids: Baker Academic, 1994.

Bock, Darrell L. Luke Volume 2: 9:51–24:53. Grand Rapids: Baker Academic, 1996.

Brown, Raymond E. The Birth of the Messiah. New York: Doubleday, 1993.

Brown, Raymond E. The Death of the Messiah. 2 vols. New York: Doubleday, 1994.

Carson, D. A. Jesus’ Sermon on the Mount and His Confrontation with the World. Grand Rapids: Baker Books, 1987.

Charlesworth, James H., ed. Jesus’ Jewishness, Exploring the Place of Jesus Within Early Judaism. New York: The Crossroad Publishing Company, 1997.

Chilton, Bruce, e Craig A. Evans, eds. Authenticating the Activities of Jesus. Boston: Brill Academic, 1999.

Edersheim, Alfred. The Life and Times of Jesus the Messiah. Updated Edition. Hendrickson Publishers, 1993.

Elwell, Walter A., ed. Baker Encyclopedia of the Bible. Grand Rapids: Baker Book House, 1988.

Elwell, Walter A., e Robert W. Yarbrough. Encountering the New Testament. Grand Rapids: Baker Academic, 2005.

Evans, Craig A. World Biblical Commentary: Mark 8:27–16:20. Nashville: Thomas Nelson, 2000.

Evans, Craig A., e N. T. Wright. Jesus, the Final Days: What Really Happened. Louisville: Westminster John Knox Press, 2009.

Flusser, David. Jesus. Jerusalem: The Magnes Press, 1998.

Flusser, David, e R. Steven Notely. The Sage from Galilee: Rediscovering Jesus’ Genius. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2007.

France, R. T. The Gospel of Matthew. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2007.

Gnilka, Joachim. Jesus of Nazareth: Message and History. Peabody: Hendrickson Publishers, 1997.

Green, Joel B. The Gospel of Luke. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1997.

Green, Joel B., e Scot McKnight, eds. Dictionary of Jesus and the Gospels. Downers Grove: InterVarsity Press, 1992.

Grudem, Wayne. Systematic Theology, An Introduction to Biblical Doctrine. Grand Rapids: InterVarsity Press, 2000.

Guelich, Robert A. World Biblical Commentary: Mark 1–8:26. Nashville: Thomas Nelson, 1989.

Jeremias, Joachim. The Eucharistic Words of Jesus. Philadelphia: Trinity Press International, 1990.

Jeremias, Joachim. Jerusalem in the Time of Jesus. Philadelphia: Fortress Press, 1996.

Jeremias, Joachim. Jesus and the Message of the New Testament. Minneapolis: Fortress Press, 2002.

Jeremias, Joachim. New Testament Theology. New York: Charles Scribner’s Sons, 1971.

Jeremias, Joachim. The Prayers of Jesus. Norwich: SCM Press, 1977.

Keener, Craig S. The Gospel of John: A Commentary, Volume 1. Grand Rapids: Baker Academic, 2003.

Keener, Craig S. The Gospel of John: A Commentary, Volume 2. Grand Rapids: Baker Academic, 2003.

Keener, Craig S. The Gospel of Matthew: A Socio-Rhetorical Commentary. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2009.

Lewis, Gordon R., e Bruce A. Demarest. Integrative Theology. Grand Rapids: Zondervan, 1996.

Lloyd-Jones, D. Martyn. Studies in the Sermon on the Mount. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1976.

Manson, T. W. The Sayings of Jesus. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1957.

Manson, T. W. The Teaching of Jesus. Cambridge: University Press, 1967.

McKnight, Scot. Sermon on the Mount. Grand Rapids: Zondervan, 2013.

Michaels, J. Ramsey. The Gospel of John. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2010.

Milne, Bruce. The Message of John. Downers Grove: InterVarsity Press, 1993.

Morris, Leon. The Gospel According to John. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1995.

Morris, Leon. The Gospel According to Matthew. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1992.

Morris, Leon. Luke. Downers Grove: InterVarsity Press, 1988.

Ott, Ludwig. Fundamentals of Catholic Dogma. Rockford: Tan Books and Publishers, Inc., 1960.

Pentecost, J. Dwight. The Words & Works of Jesus Christ. Grand Rapids: Zondervan, 1981.

Sanders, E. P. Jesus and Judaism. Philadelphia: Fortress Press, 1985.

Sheen, Fulton J. Life of Christ. New York: Doubleday, 1958.

Spangler, Ann, e Lois Tverberg. Sitting at the Feet of Rabbi Jesus. Grand Rapids: Zondervan, 2009.

Stassen, Glen H., e David P. Gushee. Kingdom Ethics: Following Jesus in Contemporary Context. Downers Grove: IVP Academic, 2003.

Stein, Robert H. Jesus the Messiah. Downers Grove: InterVarsity Press, 1996.

Stein, Robert H. Mark. Grand Rapids: Baker Academic, 2008.

Stein, Robert H. The Method and Message of Jesus’ Teachings. Louisville: Westminster John Knox Press, 1994.

Stein, Robert H. The New American Commentary: Luke. Nashville: B&H Publishing Group, 1992.

Stott, John R. W. The Message of the Sermon on the Mount. Downers Grove: InterVarsity Press, 1978.

Talbert, Charles H. Reading the Sermon on the Mount. Grand Rapids: Baker Academic, 2004.

Williams, J. Rodman. Renewal Theology: Systematic Theology from a Charismatic Perspective. Grand Rapids: Zondervan, 1996.

Witherington, Ben, III. The Christology of Jesus. Minneapolis: Fortress Press, 1990.

Witherington, Ben, III. The Gospel of Mark: A Socio-Rhetorical Commentary. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2001.

Wood, D. R. W., I. H. Marshall, A. R. Millard, J. I. Packer, e D. J. Wiseman, eds. New Bible Dictionary. Downers Grove: InterVarsity Press, 1996.

Wright, N. T. After You Believe. New York: Harper Collins Publishers, 2010.

Wright, N. T. Jesus and the Victory of God. Minneapolis: Fortress Press, 1996.

Wright, N. T. Matthew for Everyone, Part 1. Louisville: Westminster John Knox Press, 2004.

Wright, N. T. The Resurrection of the Son of God. Minneapolis: Fortress Press, 2003.

Yancey, Philip. The Jesus I Never Knew. Grand Rapids: Zondervan, 1995.

Young, Brad H. Jesus the Jewish Theologian. Grand Rapids: Baker Academic, 1995.


[1] Mateus, Marcos e Lucas.

[2] João 12:20.

[3] João 12:21-22.

[4] João 12:23.

[5] João 2:4.

[6] João 7:30.

[7] João 12:24.

[8] João 3:3 (JRA).

[9] João 6:53.

[10] 1 Coríntios 15:36.

[11] João 12:25.

[12] 1 João 2:15-16.

[13] Mateus 6:19-21.

[14] João 12:26.

[15] João 12:27.

[16] Mateus 26:39, Marcos 14:35-36, Lucas 22:42.

[17] João 12:28.

[18] Mateus 3:16-17, Marcos 1:7-11, Lucas 3:21-22.

[19] Mateus 17:1-5, Marcos 9:1-7, Lucas 9:28-35.

[20] João 12:29.

[21] João 7:12, 40-43.

[22] João 12:30.

[23] João 12:31.

[24] João 14:30, 16:11.

[25] 2 Coríntios 4:4.

[26] João 12:32-33.

[27] João 3:14-15.

[28] João 12:34.

[29] João 8:35-36.

[30] João 12:35.

[31] João 1:4-5.

[32] João 1:9-10.

[33] João 9:4-5.

[34] João 12:36.

[35] 1 Tessalonicenses 5:5.

[36] Efésios 5:8-9.

[37] João 12:36 NVI.

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies