Jesus — Sua Vida e Mensagem: João 17: Oração de Jesus (1ª Parte)

Por Peter Amsterdam

Agosto 10, 2021

[Jesus—His Life and Message: John 17: Jesus’ Prayer (Part 1)]

Depois de dizer aos Seus discípulos que estava indo para “Aquele que me enviou” (João 16:5), e que o Consolador — o Espírito Santo — viria para guiá-los em toda a verdade (João 16:13), Jesus começou a orar ao Pai. Primeiro, falou com Deus sobre Sua própria glorificação. Então, intercedeu pelos discípulos, o foco principal deste capítulo. Por último, orou por aqueles que acreditariam nEle por causa do testemunho dos discípulos.

Tendo dito estas coisas, Jesus levantou os olhos ao céu, e disse: Pai, é chegada a hora. Glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti. Pois lhe deste autoridade sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos os que lhe deste.[1]

Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, era comum as pessoas olharem para o céu ao orar. A ti, que habitas nos céus, levanto os olhos! (Salmo 123:1). Jesus, levantando os olhos para o céu, disse: Pai, graças te dou porque me ouviste (João 11:41).

Ao levantar os olhos ao céu, Jesus desviou Sua atenção dos discípulos para Se concentrar em Deus. Sabendo que Sua morte era iminente, falou que Sua hora havia chegado. Com a crucificação à Sua espera, Jesus orou para que Seu Pai O glorificasse. Apesar de a crucificação ser usada na época como uma forma de envergonhar os infratores na execução, foi para Jesus um instrumento de glorificação. Sua oração indica que o Pai glorifica o Filho e que Este, consequentemente, glorifica o Pai. Jesus falou de Sua morte como um afastamento de Seu Pai; pelo que parece provável que deseje ser “glorificado” no sentido de ser reunido ao Pai, como esclarece o quinto versículo.

Jesus explicou o que significava para o Filho “glorificar” o Pai. O Filho glorificará o Pai dando “vida eterna a todos que Lhe foram dados”, referindo-Se neste momento aos discípulos de Jesus, que com Ele estavam no cenáculo, cujos pés lavara e que declararam: “cremos que vieste de Deus.”[2] Seus discípulos também representam um grupo mais amplo de pessoas que acreditaram em Jesus ao longo de Seu ministério, como os samaritanos crentes, o homem que nasceu cego e as discípulas como Marta e Maria, bem como todos os crentes ao longo dos tempos.

Ora, a vida eterna é esta: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.[3] 

Temos aqui uma definição de vida eterna: conhecer verdadeiramente a Deus e Seu Filho resulta em vida eterna. Neste Evangelho, “o único Deus verdadeiro” e “a Jesus Cristo a quem enviaste”, estão ligados. Um não pode ser verdadeiramente conhecido sem o outro. Também vemos isso expresso em 1 João. Também sabemos que o Filho já veio, e nos deu entendimento para conhecermos aquele que é verdadeiro. E estamos naquele que é verdadeiro, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.[4]

Eu te glorifiquei na terra, concluindo a obra que me deste para fazer.[5] 

Anteriormente, neste Evangelho, Jesus afirmou: Minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra.[6] Foi exatamente o que Jesus fez, e o citou em Sua oração. Glorificou Seu Pai ao fazer a vontade do Pai.

E agora, Pai, glorifica-me em tua presença com a glória que tinha contigo antes que o mundo existisse.[7] 

Jesus pediu a Deus que O glorificasse, com base na maneira como Ele, Jesus, havia glorificado e prometia continuar glorificando o Pai. A glória à qual Se refere é aquela da qual desfrutava na presença de Deus, antes da criação do mundo, como expressa o início deste Evangelho: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.[8]

Depois de orar pela Sua própria glorificação, Jesus começou a interceder ao Pai pelos discípulos.

Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus e os deste a mim, e eles guardaram a tua palavra.[9]

Jesus começou destacando que Ele manifestava o nome do Pai aos discípulos. O nome representa a pessoa inteira. Manifestar o nome de Deus era revelar Sua essência aos discípulos. Ao aceitar Jesus, os discípulos aceitaram Seu Pai também. Ao reconhecerem Jesus como Filho de Deus passaram a conhecer a Deus de uma nova maneira — como o Pai de Jesus e também deles. Isso é expresso mais tarde neste Evangelho, quando Jesus diz a Maria Madalena: “Vai ter com meus irmãos, e dize-lhes: Eu volto para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.”[10]

Agora sabem que tudo o que me deste provém de ti. Pois lhes dei as palavras que tu me deste, e eles as receberam. Verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que me enviaste.[11]

Em Sua oração, Jesus ratifica o que Seus discípulos haviam dito pouco antes de Ele começar a orar: “Agora percebemos que sabes tudo, e não é preciso que alguém te interrogue. Por isso cremos que vieste de Deus.”[12] É possível que Jesus também estivesse remetendo a uma declaração de Pedro registrada em uma passagem anterior deste Evangelho: “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. Nós cremos e conhecemos que tu és o Cristo, o Santo de Deus.”[13] Em Sua oração,Jesus Se concentra no Pai, como se observa pela maneira como repetiu “Tu”, “Ti” “Teu”, “Tua”. Manifestei o Teu Nome (v.6); Eram Teus (v.6); Tua Palavra (v.6); tudo o que Me deste provém de Ti (v.7); Saí de ti (v.8), [Tu] me enviaste (v.8).

Enquanto orava, Jesus Se referiu à atitude dos discípulos. Primeiro, como receberam e aceitaram Suas palavras. Ao contrário do que se esperava, os líderes religiosos não aceitaram nem receberam as palavras de Jesus; Seus discípulos, sim. Em segundo lugar, os discípulos vieram a saber que Jesus veio de Deus. Terceiro, eles podem ser descritos como homens de fé. Embora neste ponto do Evangelho aqueles homens não entendessem tudo sobre Jesus, tinham fé de que o Pai O enviara.

Eu rogo por eles. Não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus. Tudo o que tenho é teu, e tudo o que tens é meu. E neles sou glorificado.[14]

Jesus começou a interceder pelos discípulos, por aqueles que o Pai Lhe havia dado. Isso não significa que Jesus não estivesse preocupado com o mundo; mas que Seus planos para o mundo eram intermediados pelos discípulos. Sua missão no mundo estava chegando ao fim; a dos discípulos, prestes a começar.

Embora tivesse confiado os discípulos a Jesus, o Pai não abriu mão deles. Pertenciam ao Pai e ao Filho, pois tudo que é de um é também do outro. Todos os meus são seus e os seus são meus. Jesus acrescentou: E neles sou glorificado. Isso é semelhante ao que Jesus dissera em outra passagem deste Evangelho: “Agora é glorificado o Filho do homem, e Deus é glorificado nele.”[15] Um autor explica: Em termos mais contemporâneos, os discípulos (independentemente de suas falhas) são Seu orgulho e alegria, assim como Ele é o orgulho e a alegria do Pai. São a Sua “glória” no sentido de que são prova viva de que Ele realmente “concluíra a obra” da qual o Pai Lhe incumbira, tornando possível Seu retorno ao Pai, para a glória que era Sua “antes que o mundo existisse”.[16]

Já não permanecerei no mundo por muito tempo, mas eles estão no mundo, e eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, o nome que me deste, para que sejam um, assim como nós.[17] 

Jesus continuou Sua oração pelos discípulos, afirmando que não permanecerá no mundo, mas Seus discípulos, sim. Essas palavras ecoam o que Ele havia dito anteriormente: Um pouco, e não me vereis mais, e um pouco ainda e me vereis,[18] e Vou para o Pai, e não me vereis mais.[19] Como permaneceriam no mundo, depois que Jesus voltasse ao Pai, precisavam de oração.

A intercessão de Jesus por eles começa com as palavras Pai Santo, guarda-os em Teu nome […] para que sejam um. Jesus pede que os discípulos estejam unidos entre si como Jesus está unido ao Pai. Jesus repetirá Seu pedido pela união de Seus seguidores mais três vezes neste capítulo.[20]

Estando eu com eles no mundo, guardei-os no nome que me deste. Nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.[21]

Jesus Se referia ao Seu ministério como se já tivesse terminado, o que está de acordo com o que Ele havia dito: Já não estou no mundo.[22] Ele teve êxito em proteger os discípulos, com exceção de Judas Iscariotes, o filho da perdição.

(A segunda metade da oração de Jesus será abordada no próximo artigo.)


Nota

A menos que indicado o contrário, todas as referências às Escrituras foram extraídas da “Bíblia Sagrada” — Tradução de João Ferreira de Almeida — Edição Contemporânea, Copyright © 2001, por Editora Vida.


Bibliografia Geral

Bailey, Kenneth E. Jesus Through Middle Eastern Eyes. Downers Grove: InterVarsity Press, 2008.

Biven, David. New Light on the Difficult Words of Jesus. Holland: En-Gedi Resource Center, 2007.

Bock, Darrell L. Jesus According to Scripture. Grand Rapids: Baker Academic, 2002.

Bock, Darrell L. Luke Volume 1: 1:1–9:50. Grand Rapids: Baker Academic, 1994.

Bock, Darrell L. Luke Volume 2: 9:51–24:53. Grand Rapids: Baker Academic, 1996.

Brown, Raymond E. The Birth of the Messiah. New York: Doubleday, 1993.

Brown, Raymond E. The Death of the Messiah. 2 vols. New York: Doubleday, 1994.

Carson, D. A. Jesus’ Sermon on the Mount and His Confrontation with the World. Grand Rapids: Baker Books, 1987.

Charlesworth, James H., ed. Jesus’ Jewishness, Exploring the Place of Jesus Within Early Judaism. New York: The Crossroad Publishing Company, 1997.

Chilton, Bruce, e Craig A. Evans, eds. Authenticating the Activities of Jesus. Boston: Brill Academic, 1999.

Edersheim, Alfred. The Life and Times of Jesus the Messiah. Updated Edition. Hendrickson Publishers, 1993.

Elwell, Walter A., ed. Baker Encyclopedia of the Bible. Grand Rapids: Baker Book House, 1988.

Elwell, Walter A., e Robert W. Yarbrough. Encountering the New Testament. Grand Rapids: Baker Academic, 2005.

Evans, Craig A. World Biblical Commentary: Mark 8:27–16:20. Nashville: Thomas Nelson, 2000.

Evans, Craig A., and N. T. Wright. Jesus, the Final Days: What Really Happened. Louisville: Westminster John Knox Press, 2009.

Flusser, David. Jesus. Jerusalem: The Magnes Press, 1998.

Flusser, David, e R. Steven Notely. The Sage from Galilee: Rediscovering Jesus’ Genius. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2007.

France, R. T. The Gospel of Matthew. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2007.

Gnilka, Joachim. Jesus of Nazareth: Message and History. Peabody: Hendrickson Publishers, 1997.

Green, Joel B. The Gospel of Luke. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1997.

Green, Joel B., e Scot McKnight, eds. Dictionary of Jesus and the Gospels. Downers Grove: InterVarsity Press, 1992.

Grudem, Wayne. Systematic Theology, An Introduction to Biblical Doctrine. Grand Rapids: InterVarsity Press, 2000.

Guelich, Robert A. World Biblical Commentary: Mark 1–8:26. Nashville: Thomas Nelson, 1989.

Jeremias, Joachim. The Eucharistic Words of Jesus. Philadelphia: Trinity Press International, 1990.

Jeremias, Joachim. Jerusalem in the Time of Jesus. Philadelphia: Fortress Press, 1996.

Jeremias, Joachim. Jesus and the Message of the New Testament. Minneapolis: Fortress Press, 2002.

Jeremias, Joachim. New Testament Theology. New York: Charles Scribner’s Sons, 1971.

Jeremias, Joachim. The Prayers of Jesus. Norwich: SCM Press, 1977.

Keener, Craig S. The Gospel of John: A Commentary, Volume 1. Grand Rapids: Baker Academic, 2003.

Keener, Craig S. The Gospel of John: A Commentary, Volume 2. Grand Rapids: Baker Academic, 2003.

Keener, Craig S. The Gospel of Matthew: A Socio-Rhetorical Commentary. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2009.

Lewis, Gordon R., e Bruce A. Demarest. Integrative Theology. Grand Rapids: Zondervan, 1996.

Lloyd-Jones, D. Martyn. Studies in the Sermon on the Mount. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1976.

Manson, T. W. The Sayings of Jesus. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1957.

Manson, T. W. The Teaching of Jesus. Cambridge: University Press, 1967.

McKnight, Scot. Sermon on the Mount. Grand Rapids: Zondervan, 2013.

Michaels, J. Ramsey. The Gospel of John. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2010.

Milne, Bruce. The Message of John. Downers Grove: InterVarsity Press, 1993.

Morris, Leon. The Gospel According to John. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1995.

Morris, Leon. The Gospel According to Matthew. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 1992.

Morris, Leon. Luke. Downers Grove: InterVarsity Press, 1988.

Ott, Ludwig. Fundamentals of Catholic Dogma. Rockford: Tan Books and Publishers, 1960.

Pentecost, J. Dwight. The Words & Works of Jesus Christ. Grand Rapids: Zondervan, 1981.

Sanders, E. P. Jesus and Judaism. Philadelphia: Fortress Press, 1985.

Sheen, Fulton J. Life of Christ. New York: Doubleday, 1958.

Spangler, Ann, e Lois Tverberg. Sitting at the Feet of Rabbi Jesus. Grand Rapids: Zondervan, 2009.

Stassen, Glen H., e David P. Gushee. Kingdom Ethics: Following Jesus in Contemporary Context. Downers Grove: IVP Academic, 2003.

Stein, Robert H. Jesus the Messiah. Downers Grove: InterVarsity Press, 1996.

Stein, Robert H. Mark. Grand Rapids: Baker Academic, 2008.

Stein, Robert H. The Method and Message of Jesus’ Teachings. Louisville: Westminster John Knox Press, 1994.

Stein, Robert H. The New American Commentary: Luke. Nashville: B&H Publishing Group, 1992.

Stott, John R. W. The Message of the Sermon on the Mount. Downers Grove: InterVarsity Press, 1978.

Talbert, Charles H. Reading the Sermon on the Mount. Grand Rapids: Baker Academic, 2004.

Williams, J. Rodman. Renewal Theology: Systematic Theology from a Charismatic Perspective. Grand Rapids: Zondervan, 1996.

Witherington, Ben, III. The Christology of Jesus. Minneapolis: Fortress Press, 1990.

Witherington, Ben, III. The Gospel of Mark: A Socio-Rhetorical Commentary. Grand Rapids: William B. Eerdmans Publishing Company, 2001.

Wood, D. R. W., I. H. Marshall, A. R. Millard, J. I. Packer, e D. J. Wiseman, eds. New Bible Dictionary. Downers Grove: InterVarsity Press, 1996.

Wright, N. T. After You Believe. New York: Harper Collins Publishers, 2010.

Wright, N. T. Jesus and the Victory of God. Minneapolis: Fortress Press, 1996.

Wright, N. T. Matthew for Everyone, Part 1. Louisville: Westminster John Knox Press, 2004.

Wright, N. T. The Resurrection of the Son of God. Minneapolis: Fortress Press, 2003.

Yancey, Philip. The Jesus I Never Knew. Grand Rapids: Zondervan, 1995.

Young, Brad H. Jesus the Jewish Theologian. Grand Rapids: Baker Academic, 1995.


[1] João 17:1–2.

[2] João 16:30.

[3] João 17:3.

[4] 1 João 5:20.

[5] João 17:4.

[6] João 4:34.

[7] João 17:5.

[8] João 1:1.

[9] João 17:6.

[10] João 20:17.

[11] João 17:7–8.

[12] João 16:30.

[13] João 6:68–69.

[14] João 17:9–10.

[15] João 13:31.

[16] Michaels, The Gospel of John, 866.

[17] João 17:11.

[18] João 16:16.

[19] João 16:10.

[20] João 17:21–23.

[21] João 17:12.

[22] João 17:11 ACRF.

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies