Dias Melhores Virão—2ª Parte

Por Peter Amsterdam

Outubro 26, 2021

— Encontrando consolo em tempos de solidão

[Better Days Ahead—Part 2: Finding Comfort in Times of Loneliness]

Nos momentos difíceis da vida, muitas vezes convivemos com a solidão ou com a sensação de lutarmos sozinhos, o que pode dar lugar à falta de esperança e até desespero. Desde o início da narrativa bíblica, Deus nos criou para viver um relacionamento com Ele e com os outros. Nossas interações com as outras pessoas, em particular com outros cristãos, adicionam propósito, sentido, responsabilidade, ânimo, valorização, alegria e inspiração para nossas vidas. Ajudam a moldar e formar os contornos de nossas rotinas e dão maior sentido às tarefas diárias.

Todavia, a falta desse senso de comunidade pode resultar em uma reação em cadeia negativa que afeta outras áreas da vida, que você talvez não relacione à solidão. Tentar preencher o vazio com coisas como televisão, comida, álcool, navegação na internet ou redes sociais pode prejudicar seu bem-estar físico, emocional e espiritual.

É importante reconhecer a necessidade do apoio dos outros. Se as coisas não estiverem bem e alguém de sua confiança perguntar como você está, seja sincero, diga “Não estou bem”, peça oração e apoio. Comunicar como estamos, abre caminho para que nos ofereçam solidariedade e apoio.

Muitas vezes é difícil dizer que sente solidão, sentir-se constrangido por isso e achar que os outros não se importam. Por isso, é importante nos interessarmos pelas pessoas e procurarmos saber como estão. Se alguém parecer em dificuldades ou desanimado, devemos estender a mão para ajudar, estarmos prontos para escutar a pessoa, procurar animá-la, orar por ela e oferecer nosso apoio.

Devemos procurar demonstrar compaixão, bondade, humildade, gentileza e paciência com cada pessoa com quem temos contato. (Veja Colossenses 3:12.) Somos embaixadores de Cristo (2 Coríntios 5:20). Devemos procurar sempre refletir Seu amor, Sua misericórdia e fazer a diferença na vida de alguém, mesmo que o contato com essa pessoa seja momentâneo. Atos simples de bondade podem ajudar a aliviar a solidão de alguém e ajudar essa pessoa a sentir que alguém se importa. “Piedoso e justo é o Senhor; o nosso Deus é cheio de compaixão.” (Salmo 116:5).

Maria explica como alcançar os que se sentem sozinhos e perdidos:

Nós, seguidores de Jesus, somos chamados a ir ao mar da humanidade em busca dos que estão perdidos, afundando e se afogando, para oferecer-lhes vida, esperança e verdade. Temos o maravilhoso conforto de Deus, o poder de Sua Palavra e nosso entendimento do futuro que Ele prometeu para todos os Seus filhos. Somos incumbidos de compartilhar o que recebemos com aqueles que perderam a esperança de qualquer consolo, ou que não sabem que Deus os ama e que o céu os espera.

Essas pessoas necessitam do amor e da verdade do Senhor. Vamos fazer o possível para compartilhar com elas a alegria, paz de espírito e vida eterna, que temos em Cristo nosso Senhor. Ele nos fala para chorar com os que choram e ficarmos de coração partido por aqueles que ainda não O conhecem.

Você se lembra de como era sua vida antes de conhecer o Senhor? Talvez você estivesse em desespero e sua vida parecesse sem sentido? O Senhor ouviu o clamor do seu coração, estendeu-lhe a mão e o tomou nos braços quando você precisava. Para isso, provavelmente usou alguém com o coração cheio do Seu amor. Ele pede que façamos o mesmo — compartilhemos Seu amor e verdade com aqueles que estão perdidos e solitários.

Podemos nos surpreender ao ver como pequenas interações podem não apenas aliviar a solidão de alguém, mas também nos dar uma sensação de realização e propósito. Fazer contato com outra pessoa, mesmo alguém que não conhecemos, pode enriquecer nossas vidas e ajudar tanto à outra pessoa quanto nós mesmos a nos sentirmos conectados e menos isolados. Dale Carnegie escreveu: “Você pode facilmente aumentar a felicidade deste mundo agora. Como? Expressando o reconhecimento sincero por alguém que está sozinho ou desanimado. Talvez amanhã você não se lembre das palavras gentis que disser hoje, mas podem ter um valor permanente na vida de quem as ouvir”.

Há outra peça importante do quebra-cabeça que pode servir como uma âncora para a nossa fé se estivermos passando por um período de solidão. Nunca estamos sós! Independentemente das circunstâncias, não estamos sozinhos. Jesus está conosco constantemente, a cada segundo de cada dia. “Embora as montanhas se desviem, e os outeiros tremam, contudo o meu constante amor não se desviará de ti, nem será removida a aliança da minha paz, diz o Senhor, que se compadece de ti” (Isaías 54:10). O Senhor não Se esquece de nós.

Por sermos filhos de Deus, temos a garantia de que Ele nunca nos perde de vista. Mesmo antes de nascermos, Seus olhos estavam sobre nós. “Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui formado… teus olhos viram o meu corpo ainda informe.” (Salmo 139:15–16). … O Salmo 34:15 diz: “Os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos estão atentos ao seu clamor”. O autor do hino exclamou: “Seus olhos estão no pardal e eu sei que Ele olha por mim”.

Nunca saímos de Sua vista e Ele jamais nos esquece. Como a tão maravilhosa e conhecida oração do Salmo 139 nos ensina, nosso criador está conosco independentemente de onde estejamos e do nosso estado de espírito. Ele nos vê em todos os lugares. Conhece-nos perfeita e intimamente. O salmista diz: “Quão preciosos me são, ó Deus, os teus pensamentos! Quão vasta é a soma deles! Se os contasse, seriam em maior número do que a areia. Quando acordo ainda estou contigo” (Salmo 139:17–18). Se esteve no litoral recentemente, viu a vastidão do mar e caminhou na areia, tem uma noção do incompreensível cuidado e atenção de nosso Pai celestial descrito neste salmo. …

Nosso Pai não Se esquece de nós. Estamos sempre “à vista e em Seus pensamentos”.—Daniel Henderson[1]

Uma jovem mulher escreveu:

Em tempos de solidão, Jesus quer nos trazer para junto dEle. Quer Se tornar nosso melhor e mais leal amigo, aquele a quem podemos sempre recorrer e que nunca nos decepcionará. Ele usa os tempos de solidão para solidificar e fortalecer nossa amizade com Ele, pois sabe que ela vai nos ajudar a passar por todas as adversidades que venhamos a enfrentar na vida.

Se está sofrendo com solidão, não se desespere. Lembre-se que Jesus o ama mais profundamente do que qualquer um seria capaz, pode entendê-lo melhor que qualquer outra pessoa. Você pode perceber que tempos como esse são presentes disfarçados, que nos são dados repletos de amor infinito, e com essas dádivas podemos receber tesouros que irão superar as dificuldades.[2]

Quando eu estava lendo e orando sobre o tema da solidão, percebi uma verdade que não havia compreendido totalmente antes. Como filhos do Deus do Universo, destinados a estar com Jesus e o Pai para sempre no Céu, nunca estaremos completamente livres da solidão nesta vida. Não conseguimos ficar totalmente satisfeitos aqui na Terra. Por mais plena que nossa vida possa ser, ainda que vivamos cercados por familiares e amigos, sempre haverá um vazio. Clarissa Moll escreve:

Saber que Jesus vem ao nosso encontro nas horas de solidão pode não bastar para nos confortar, e talvez por um bom motivo. Como C. S. Lewis escreveu em Cristianismo Puro e Simples: “Se temos um desejo que nada neste mundo possa satisfazer, a explicação mais provável é que fomos feitos para outro mundo”.

Em seu livro Blessed Are the Unsatisfied, Amy Simpson parafraseia Lewis: “Talvez Deus não queira tirar nossos anseios ainda. Quando nos aprofundamos na fé e nos aproximamos de Jesus, é provável que nos sintamos menos (não mais) satisfeitos com a vida aqui e agora.”

Na verdade, Jesus virá aos nossos lugares de solidão. Promete nos encontrar em nossos desertos, nossos espaços de quarentena, para renovar nossa alma, nos trazer alegria, consolar nosso coração e nos dar paz. Se em meio a essa convivência, nossa solidão ainda nos atormenta, podemos nos assegurar que é menos um sintoma de nossa solidão e mais uma marca de inquietação espiritual. Essa solidão persistente reflete um desejo profundo de comunhão, que só será [totalmente] satisfeito quando virmos Jesus cara a cara.[3]

Outro autor também explica bem esse conceito. Acredito que vale a pena meditar sobre isso para ver como se aplica à nossa vida. Isso pode nos permitir alguns insights que trarão conforto nas horas difíceis da vida. Steve DeWitt escreveu:

Como Gênesis 1:27 deixa claro, fomos criados por Deus e para Deus, com uma capacidade espiritual e relacional que somente Deus pode atender. Como as famosas palavras de Agostinho: “Nosso coração anda inquieto enquanto não descansar em Ti”.

Vemos a solidão como um inimigo a ser evitado a todo custo, mas deste lado da consumação da redenção, nossas vidas nunca estarão livres da solidão. Deus usa isso para chamar nossa atenção. Então, quando uma onda de solidão me atinge, tento pensar: Por que me sinto assim? Eu me sinto assim porque fui feito para Deus. Seguindo o conselho de Elisabeth Elliot, transformo minha solidão em solitude e minha solitude em oração. Dessa forma, a solidão deixa de ser um demônio para nós. Na verdade, torna-se um guia e um amigo…

Posso não ter uma esposa, mas tenho Cristo. Você pode não ter um marido, mas tem Cristo. Você pode estar separado da família, mas você tem Cristo. Você talvez seja viúva, mas tem Cristo. Você talvez seja rejeitado por seu cônjuge, mas você tem Cristo. E já que você e eu fomos feitos para Ele, tê-lO é ter Seu Espírito como garantia de que um dia nunca mais me sentirei só. (…) Em nossos momentos de desolação interior, o Senhor está conosco e com Ele há um caminho através do vale da solidão.[4]

Tenho uma amiga que é uma “pessoa simpática”, muito sociável. O marido dela faleceu há algum tempo e ela está morando sozinha há um ano. Ela explicou que não foi fácil; sentiu-se bastante isolada e, em suas palavras, “passou muito tempo sozinha”. Mas ela desenvolveu um novo hábito que chama de “falar com o Papai e com Jesus” durante suas caminhadas — de algumas horas — todo dia com seu cachorro.

O que tornou esse hábito tão especial para ela, explicou, é que dedica tempo cada dia para andar e falar em voz alta com Jesus e Deus. É quando abre o coração em oração — por si mesma e pelos outros. É quando fala com o Senhor e com o Pai, como se estivessem ali com ela. Explicou que, às vezes, até ri com Eles e Sua presença é tão real que ela sente como se Papai e Jesus estivessem segurando suas mãos! (Ela disse que qualquer pessoa que a vir falando em voz alta e rindo apenas com seu cachorro por perto pode considerá-la uma “velha maluca”, mas na realidade, ela é uma guerreira no Espírito!)

“A beleza desta situação”, disse ela, “é que, quando reflito sobre este ano difícil e muitas vezes solitário, não posso deixar de reconhecer minha maior intimidade com o Senhor e com Papai, e minha maior consciência de Sua presença na minha vida. Estou mais convencida do que nunca de sua preocupação com cada detalhe da minha vida e com a vida das pessoas que amo. Essa intimidade é o maior presente que recebi.”

Ela me enviou um trecho de um artigo que diz:

Nunca se esqueça que em Jesus você tem um amigo (João 15:15), e que o Espírito habita em você para lhe dar forças para lidar com esse tempo de solidão ... Dane Ortlund escreve em Manso e Humilde: “O coração de Cristo por nós significa que Ele será nosso amigo que nunca falha, independentemente de quantos amigos temos ou deixemos de ter. Ele nos oferece uma amizade que nos sustenta na solidão. Embora a dor não vá embora, ela se torna totalmente tolerável, por causa da amizade muito mais profunda de Jesus.”—Joe Carter[5]

Encerrarei com uma mensagem do Senhor que, creio eu, encorajará seu coração:

Uma implicação da Minha constante presença é que você nunca está sozinha. Estou preparando você para estar cada vez mais consciente de Mim, mas entendo que você é humana e sua capacidade de atenção é limitada. Às vezes, em meio ao sofrimento, você pode se sentir sozinha ou abandonada. No entanto, sofri sozinho na cruz para que você nunca tivesse que estar sozinha em suas lutas. Você está sempre Comigo; Eu te seguro pela sua mão direita.[6]

Estou mais perto do que você ousa acreditar, mais perto do que o ar que você respira. Normalmente, você não tem consciência de estar envolto no ar porque ele é invisível e está constantemente disponível para você. Da mesma forma, apesar de Minha presença invisível ser constante em sua vida, muitas vezes você não consegue Me reconhecer. Isso a deixa vulnerável à solidão. …

Desejo profundamente que você vivencie Minha proximidade — e o contentamento e a paz que ela traz — de forma mais consistente. Existe uma relação estreita entre sentir-se solitário e não ter consciência da Minha Presença. É um problema antigo. Quando o patriarca Jacó estava em um lugar deserto — longe de sua família — tinha plena consciência de seu isolamento. No entanto, derramei Minha Presença sobre ele na forma de um sonho glorioso. Quando acordou, disse: “Na verdade o Senhor está neste lugar, e eu não o sabia.”

Não apenas estou constantemente com você, mas também dentro de você, nos recônditos do seu coração e mente. Meu conhecimento de você é perfeito e tem na essência o Amor incondicional.

Deixe os sentimentos de solidão o lembrarem da necessidade de buscar a Minha face. Venha a Mim com seu vazio típico da vida humana, e Minha Divina Presença o encherá plenamente de Vida![7]

Conforme cultivarmos uma consciência mais profunda da presença de Cristo, encontraremos um sentimento de pertencimento que nunca nos falhará! Ele disse: “Não te deixarei, nem te desampararei” (Hebreus 13:5). Louvado seja o Senhor! Deus te abençoe e mantenha você perto dEle!


[1] “Never Forget: You Are Not Forgotten,” Strategic Renewal, https://www.strategicrenewal.com/never-forget-you-are-not-forgotten/

[2] “The Gift of Loneliness,” Just1Thing.com.

[3] “Bloom Where You’re Quarantined,” Christianity Today, 1 de april, 2020 https://www.christianitytoday.com/ct/2020/april-web-only/coronavirus-covid-19-bloom-where-youre-quarantined.html

[4] “Lonely Me: A Pastoral Perspective,” 4 de agosto, 2011 https://www.thegospelcoalition.org/article/lonely-me-a-pastoral-perspective/

[5] “What Christians Should Know About Loneliness,” The Gospel Coalition, 21 de novembro, 2020 https://www.thegospelcoalition.org/article/the-faqs-what-christians-should-know-about-loneliness/

[6] Sarah Young, Jesus Always (Thomas Nelson, 2017).

[7] Sarah Young, Jesus Lives (Thomas Nelson, 2009).

 

Copyright © 2022 The Family International. Política de Privacidade Política de Cookies